Eric Gaillard/ Reuters
Eric Gaillard/ Reuters

PSG abre 2 a 0, mas leva virada do Monaco no Francês; Neymar volta a jogar

Craque brasileiro começou o jogo no banco de reservas, entrando aos 15 minutos do segundo tempo, quando o PSG ainda vencia

Redação, Estadão Conteúdo

20 de novembro de 2020 | 19h50

O Paris Saint-Germain viu sua sequência de sete vitórias no Campeonato Francês ser interrompida nesta sexta-feira ao perder de virada por 3 a 2 para o Monaco, fora de casa, em duelo da 11ª rodada. O time abriu 2 a 0, mas a equipe do principado mostrou poder de reação e assegurou o triunfo com um gol de Cesc Fàbregas no fim da partida, que marcou o retorno de Neymar aos gramados.

Apesar do revés fora de casa, o PSG continua na liderança do campeonato, com 24 pontos em 11 jogos. No entanto, a diferença para o Lille, terceiro colocado, que joga no domingo, pode diminuir a diferença para dois. O Monaco, agora com 20, subiu para a vice-liderança provisoriamente.

O duelo foi dividido em dois tempos distintos. Na primeira etapa, o PSG dominou a partida e abriu vantagem de dois gols contando com o talento de Mbappé. O atacante francês abriu o placar aos 25 após passe de Di Maria e ampliou aos 37, em cobrança de pênalti sofrido por Rafinha Alcântara. Depois, ele ainda teve um gol anulado por posição de impedimento.

Mbappé chegou a nove gols na competição e se isolou na artilharia. ele tem 99 pelo Paris Saint-Germain, mas acabou não sendo o protagonista principal da partida. Sua estrela foi ofuscada pela reação do Monaco, que contou com o oportunismo de Kevin Volland, que marcou duas vezes, aos seis e aos 19 minutos, para empatar o jogo.

Aos 35, o atacante alemão foi derrubado dentro da área por Diallo, que acabou sendo expulso. Fàbregas converteu a cobrança e definiu o triunfo dos anfitriões. O veterano meio-campista espanhol entrou na etapa final, bem como o brasileiro Caio Henrique, ex-Fluminense e Grêmio. A dupla foi diretamente responsável pela melhora na produção ofensiva do Monaco.

VOLTA DE NEYMAR - Neymar voltou a atuar 23 dias após a lesão no músculo adutor da perna esquerda sofrida no duelo contra o Basaksehir, da Turquia, pela Liga dos Campeões, que o tirou dos dois compromissos da seleção brasileira contra Venezuela e Uruguai, pelas Eliminatórias.

O astro começou no banco e entrou em campo no lugar de Di Maria, aos 15 minutos da segunda etapa, quando o PSG vencia por 2 a 1. Ele se movimentou bastante e buscou o jogo, mas errou mais do que o habitual e pouco contribuiu. Sua chance mais perigosa foi uma cobrança de falta defendida com tranquilidade pelo goleiro Mannone.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.