JAMIL CHADE/ESTADAO
JAMIL CHADE/ESTADAO

PSG anuncia doação de R$ 4,22 milhões para ajudar refugiados

Clube dará o dinheiro para ACNUR e Secours Populaire Français

Estadão Conteúdo

09 de setembro de 2015 | 13h13

O Paris Saint-Germain anunciou nesta terça-feira que vai doar 1 milhão de euros (aproximadamente R$ 4,22 milhões) para a agência das Organização das Nações Unidas para refugiados, a ACNUR, e uma associação sem fins lucrativos francesa em uma tentativa de ajudar a aliviar a crise migratória.

O atual campeão francês disse que vai dar o dinheiro para a ACNUR e a Secours Populaire Français, a fim de ajudar a "criação de projetos de solidariedade concretos na França e internacionalmente".

Um grupo de imigrantes chegou à França nesta quarta-feira depois de uma viagem de ônibus durante a noite, vindos da Alemanha. O presidente François Hollande se declarou empenhado em aceitar 24 mil migrantes ao longo de dois anos, mas a opinião pública francesa está dividida sobre como lidar com o afluxo de pessoas que fogem da guerra e da pobreza no Oriente Médio e na África.

A Europa tem recebido milhares de imigrantes nos últimos meses. A entrada dos refugiados - a grande maioria de forma ilegal - tem causado comoção e também polêmica, por dividir opiniões e até gerar atritos entre as autoridades dos principais países da Europa.

A ação do PSG é apenas mais uma entre as várias adotadas por entidades esportivas nos últimos dias. Na última terça-feira, a Associação de Clubes Europeus anunciou que seus membros concordaram em dar 1 euro por cada ingresso vendido para os jogos deste mês pela Liga dos Campeões e pela Liga Europa.

Outros times também já se prontificaram a ajudar os imigrantes. O Bayern de Munique e o Real Madrid também anunciaram nos últimos dias a doação de 1 milhão de euros cada para projetos de apoio aos refugiados. O Comitê Olímpico Internacional, por sua vez, doou US$ 2 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.