Philippe Wojazer/Reuters
Philippe Wojazer/Reuters

PSG frustra tentativa do Barça e rejeita liberar Neymar por empréstimo

Dirigentes do time francês até aceitam acordo que envolva jogadores, desde que recebem valor considerável

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2019 | 19h41

O Barcelona insiste, o Real Madrid sonda e a Juventus tenta seduzir o Paris Saint-Germain. O objetivo é único: contar com o futebol do atacante Neymar. O problema para os três gigantes, e para qualquer outro clube do mundo que queira contar com o futebol do brasileiro nas próximas temporadas, é que o PSG não aceita nem ouvir qualquer proposta para ceder o jogador por empréstimo, mesmo que exista uma cláusula de opção de compra após um período. 

Os dirigentes da equipe francesa até estão dispostos a discutir uma eventual transferência do jogador, mas desde que seja feita uma oferta alta em dinheiro e, eventualmente, até com alguns jogadores fazendo o caminho inverso. De acordo o jornal Le Parisien, os cartolas do PSG tratam a questão com muito cuidado por respeito aos proprietários do clube, que em 2017 desembolsaram 222 milhões de euros (R$ 840 milhões na cotação da época) à vista para tirar o jogador do Barcelona. 

Os dirigentes não têm motivos para facilitar a saída do jogador por quem fizeram o que foi chamado de uma série de “sacrifícios financeiros”. Entre eles estão  o apoio dado à Fundação Neymar JR, com um contrato de parceria com o Banco Nacional do Catar, assinado em dezembro de 2018, além de vários privilégios para o atacante em relação a outros jogadores do elenco, como viagens ao Brasil, férias mais extensas e celebrações de aniversários. 

A ideia do Barcelona ainda é a de contratar o seu ex-jogador nos mesmos moldes que o próprio PSG usou para adquirir o jovem atacante Kylian Mbappé, que jogava no Monaco e atuou na equipe de Neymar  por uma temporada como “emprestado” para só ser efetivamente comprado nesta temporada. O contexto era diferente e o clube da capital francesa estava limitado pelo fair-play financeiro. Assim, foi feita a cessão por empréstimo e compra automática após  um ano. 

Além disso, caso Neymar saia por empréstimo, é possível que o PSG tenha que gastar ainda mais dinheiro nesta temporada. Isso porque o clube, que ainda procura  um goleiro de alto nível para seu elenco, terá que repor a perda do atacante com outro jogador do mesmo nível do brasileiro. E ninguém chegará à Paris por um salário baixo e um contrato por pouco tempo – o atacante argentino Paulo Dybala, da Juventus, é o que mais agrada aos franceses e por isso, caso a Juventus faça uma oferta que mescle dinheiro e o jogador, a tendência é o PSG aceitar.

Portanto, além do orgulho dos cartolas franceses, a complicada engenharia financeira de Neymar impedem que o PSG aceite negociá-lo por empréstimo. Pelo menos por enquanto. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.