Christian Hartmann/Reuters
Christian Hartmann/Reuters

PSG lança plataforma para arrecadar fundos na luta contra o coronavírus na França

Clube de Paris pretende repassar o valor arrecado para hospitais da cidade e do país que tratam de contaminados pela covid-19

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2020 | 12h21

O Paris Saint-Germain lançou nesta quarta plataforma de crowdfunding (financiamento coletivo) para arrecadar dinheiro e ajudar os hospitais locais durante a pandemia de coronavírus.  A França está degraus abaixo em número de intectados e mortos por causa da pandemia na Espanha e Itália, mas o governo local começa a priorizar o isolamento das pessoas com mais rigor. Parques estão sendo fechados, por exemplo, e franceses proibidos de correr nas ruas em determinados horários.

"Ao lançar esta plataforma, o Paris Saint-Germain procura dar continuidade aos gestos de solidariedade que se têm verificado para com os hospitais das regiões de Paris, para com os seus voluntários e benificiários. Apelamos para a ajuda de toda a família do PSG", escreve o clube em nota publicada nas suas redes sociais. Neymar e Mbappé são dois dos principais jogadores do PSG.

O clube já arrecadou 200 mil euros, cerca de de R$ 1,1 milhão, com a venda de camisetas com a inscrição 'Tous Unis' (Todos Unidos). Seus dirigentes acrescentam ainda que irá anunciar novas medidas de solidariedade nos próximos dias. O jornal 'L'Equipe' anunciou, terça-feira, que um grupo de trabalho da Liga Francesa de Futebol estuda a possibilidade de serem realizados cortes nos salários dos jogadores das duas primeiras divisões, acrescentando, contudo, que ainda não tinha sido tomada qualquer decisão definitiva sobre o assunto.

Na França, o número de infectados com o novo coronavírus supera os 100 mil e mais de 10 mil pessoas já morreram vítima da covid-19. As medidas de confinamento começaram em 17 de março.

Tudo o que sabemos sobre:
coronavírusParis Saint-Germain

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.