Gonzalo Fuentes / Reuters
Gonzalo Fuentes / Reuters
Imagem Robson Morelli
Colunista
Robson Morelli
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Mbappé reacende debate sobre sua permanência no PSG, que pode limpar o elenco, com a saída de Neymar

Nesta semana, notícias na França davam conta de que o clube colocaria o atacante brasileiro no mercado; após o fracasso na Liga dos Campeões, torcedores do Paris pediram o afastamento de alguns atletas e da diretoria de futebol

Robson Morelli, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2022 | 10h17

O PSG ensaia mudanças fortes no clube na virada da temporada, depois que o time confirmar seu título francês. A eliminação na Liga dos Campeões diante do Real Madrid nas oitavas de final provocou mais revolta dos seus torcedores do que nos tropeços anteriores. O elenco foi colocado contra a parede. Jogadores como Neymar foram questionados, assim como o diretor Leonardo. Nesta semana, uma nota publicada em Paris informava que os donos cataris do Paris Saint-Germain colocariam Neymar à venda. Ele foi comprado por R$ 822 milhões. Estaria à venda por dois motivos: seu rendimento abaixo do esperado e o alto salário, o maior de todos no elenco: R$ 22 milhões por mês.

Por coincidência, nesta semana, o atacante Mbappé voltou a comentar sobre a possibilidade de ele permanecer no PSG, uma vez que sua saída para o Real Madrid era dada como certa por muitos na França, inclusive por ele mesmo. Faz pelo menos duas temporadas que o time espanhol tenta combinar com ele sua mudança para Madri. Havia muita expectativa por parte dos madrilenhos de que isso fosse acontecer ao término desta edição. O próprio Mbappé reacendeu o debate e parece acenar com sua permanência.

"Já dei informações suficientes, acho que vocês têm o suficiente para poder trabalhar", disse sorrindo aos jornalistas, na zona mista do Parque dos Príncipes, depois de ter destruído o Lorient (5-1) com dois gols e três assistências. "Não quero estar errado", acrescentou, alegando não ter "tomado" a decisão ainda. "Sei que as pessoas estão demorando muito, falam comigo sobre isso todos os dias..."

A permanência de Mbappé pode estar diretamente ligada à saída de Neymar. Dessa forma, com Messi em baixa ainda, o atacante francês poderá assumir posição de destaque no PSG, não somente técnica, mas tudo o que isso significa para um dos melhores jogadores do mundo. No elenco do PSG, Mbappé coloca no bolso tanto Neymar quanto Messi, mas ainda não tem o reconhecimento que tem os dois companheiros.

O PSG estaria se valendo desse cenário para convencer seu garoto a ficar. Ele fez questão de dizer que não tinha tomado sua decisão ainda. Sabia exatamente o significado de suas palavras para uma legião de fãs ensandecidos e revoltados com o rendimento do time e de alguns jogadores. "Há novos elementos", disse o atacante, misterioso. Ele poderia passar a usar a braçadeira de capitão e mobilizar todas as atenções do clube em sua órbita. Com a chegada de Messi, Mbappé passou a ser o terceiro no time, apesar de jogar mais e ser mais decisivo.

Dinheiro não faz parte desses atrativos ou não somente. Ele ganha metade do que recebe Neymar, de acordo com as revelações da folha de pagamento do clube feitas pelo jornal L'Equipe. Mbappé pode estar interessado no pacote que o clube francês pode lhe oferecer. No fim do ano, a França figura como uma das principais seleções para ganhar a Copa do Mundo do Catar e o jogador pode conseguir muito mais prestígio se levar sua equipe ao bimundial.

Os franceses especulam a possibilidade de um terceiro clube, entre Real Madrid e PSG, o que poderia estar mexendo com a cabeça do atleta. Mas ele não dá pistas dessa possibilidade. Seria remota. A limpa que a torcida tanto cobra dos dirigentes do clube, se colocada em marcha em Paris, também deve servir de fator motivador para o garoto. Recentemente, o diretor Leonardo disse que o clube faria de tudo ao seu alcance para mantê-lo. Seu contrato termina em junho e ainda, segundo ele, não há nada resolvido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.