PASCAL GUYOT /AFP
PASCAL GUYOT /AFP

PSG terá R$ 416 milhões para contratações e tem 'acordo' com Zidane, diz imprensa francesa

Mesmo com perdas financeiras de 300 milhões de euros na última temporada, diretoria parisiense não terá dinheiro como problema e deve investir forte na reformulação do elenco para, enfim, vencer a Liga dos Campeões

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2022 | 09h50
Atualizado 10 de junho de 2022 | 11h49

O Paris Saint-Germain se prepara para uma grande reformulação em seu elenco e deve ir forte para o mercado na próxima janela de transferências, que abre em julho. Segundo o jornal L'Equipe, o clube parisiense terá um orçamento de 80 milhões de euros (R$ 416 milhões) para a contratação de jogadores. O valor ainda poderá aumentar caso alguns atletas sejam vendidos. Ainda de acordo com a imprensa francesa, Zidane tem um 'princípio de acordo' para treinar a equipe, que tem como sonho de consumo o título da Liga dos Campeões

Segundo a publicação, do montante destinado à montagem do plantel para a próxima temporada, 35 milhões de euros (R$ 181 milhões) já foram gastos na compra em definitivo do lateral-esquerdo português Nuno Mendes, um dos poucos a passar ileso pelas críticas da torcida nos últimos 12 meses. Outros 20 milhões de euros (R$ 103 milhões) devem ser gastos com a demissão do técnico argentino Mauricio Pochettino, que não abre mão de receber o que lhe resta até o fim do contrato. 

Ainda de acordo com o L'Equipe, o PSG teve perdas que variaram entre 200 milhões a 300 milhões de euros na última temporada, isso mesmo com uma receita recorde de 700 milhões de euros. Apesar dos números "no vermelho", dinheiro não deve ser o problema. O clube é comandado pela empresa Qatar Sports Investments, que possui ativos no valor de US$ 256 bilhões (R$ 1,4 trilhão). O PSG também tem como presidente o empresário multimilionário Nasser Al-Khelaifi, membro da família real do Catar. 

Ao todo, mais de dez atletas devem deixar o PSG no próximo mês. A barca conta com jogadores como o atacante Angel Di María, os meias Draxler, Paredes, Wijnaldum e Herrera, o goleiro Keylor Navas, o zagueiro Kehrer, e os laterais Bernat, Kurzawa e Dagba. Outros, como Icardi e Gueye, também têm futuro indefinido. Até mesmo Neymar pode ser negociado caso chegue uma boa proposta. 

É possível dizer que a principal contratação do PSG para a temporada é a renovação com Kylian Mbappé, principal jogador do time no último ano. Com contrato a expirar no mês de junho, o atacante estendeu seu vínculo até 2025. De acordo com veículos de imprensa da França, ele pode receber até 600 milhões de euros (R$ 3 bilhões) entre salários, luvas e premiações, caso cumpra os três anos de contrato. 

PSG tem 'princípio de acordo' com Zidane

Com a iminente saída de Pochettino, diversos nomes passaram a ser especulados para o comando do Paris Saint-Germain. Luis Campos, recém-contratado para a vaga do brasileiro Leonardo no cargo de diretor esportivo, mira a contratação do francês Christophe Galtier, do Nice, e que conquistou o penúltimo Campeonato Francês com o Lille. No entanto, as rádios francesas Europe 1 e RMC Sport afirmam que Zinedine Zidane tem um "princípio de acordo" para ser o novo treinador do time parisiense. 

Natural de Marselha, cidade do Olympique, principal rival do PSG, Zidane ainda está no início de sua carreira à beira dos gramados, mas já possui uma trajetória vitoriosa. À frente do Real Madrid, clube pelo qual brilhou nos gramados durante os anos 2000, o ex-camisa 10 da seleção francesa conquistou a Liga dos Campeões por três anos consecutivos — 2016, 2017 e 2018 —, além de outros seis títulos. Aos 49 anos, ele pode ser o escolhido pela diretoria do PSG para liderar o projeto de levantar a taça da principal competição de clubes da Europa, justificando o alto investimento inciado ainda em 2011. 

Quem faz coro pela contratação de Zidane é o presidente francês Emmanuel Macron. Para ele, que é torcedor declarado do Olympique de Marselha, a chegada do astro ajudaria a promover a imagem da França para o mundo. "Tenho uma grande admiração por ele, como jogador e treinador. Ele venceu três Liga dos Campeões com o Real Madrid, que é algo que queremos para nossos clubes. Queremos ele de volta para promover a França. Eu espero, pelo impacto que teria na liga francesa e para a França, que Zidane volte e treine um grande clube francês, seria ótimo", afirmou o presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.