PSV: Paulista espera assinar contrato dia 30

A diretoria do Paulista de Jundiaí espera assinar no próximo dia 30 de abril o contrato de parceria com o PSV Eindhoven. O contrato - antecipado pela Agência Estado na primeira semana de fevereiro - prevê que o clube do interior paulista será adminstrado pelos europeus. Na primeira fase, os investimentos do PSV no Paulista devem atingir US$ 8 milhões. O Paulista - que no domingo faz a segunda partida da final do Campeonato Estadual, contra o São Caetano - vem de duas parcerias nos últimos 9 anos: com a Lousano e a Parmalat. "Só falta assinar o contrato. Não existe mais nada de novo", confirmou, no começo da noite desta sexta-feira, o presidente do paulista, Eduardo Palhares. No próximo dia 30, as diretorias do Paulista e da Philips, multinacional do setor de eletroeletrônico e proprietária do PSV Eindhoven, assinam o contrato que vai permitir ao clube holandês controlar 100% o departamento de futebol do Paulista.Os primeiros investimentos vão acontecer na construção do centro de treinamento. A Philips investirá US$ 8 milhões na obra.Para garantir o retorno do investimento, o contrato prevê que os holandeses terão direito sobre a maior parte dos lucros sobre a venda de jogadores formados no clube. O PSV também terá prioridade na compra de atleta adquirido pelo Paulista.Para a manutenção do futebol de base e profissional serão necessários o investimento de US$ 1 milhão anuais. O Paulista sempre buscou parcerias para formação de jogadores. Em 1995, fechou com a Lousano, da área de materiais elétricos, e em 1998, com a Parmalat, do setor alimentício.COMEMORAÇÃO - De acordo com Palhares, a chegada às finais do Campeonato Paulista não pode ser considerada uma surpresa. Ele credita às parcerias o sucesso em 2004. "Recebemos muitas críticas quando fechamos com essas empresas, mas agora, quando estamos colhendo frutos, é hora de ressaltar que isso só está acontecendo por causa da seriedade com que foi administrado o futebol do Paulista. Já temos uma grande estrutura. Não é todo dia que um clube sul-americano é aprovado po r um gigante europeu", destaca o presidente Eduardo dos Santos Palhares.Palhares faz questão de avisar que desta vez não haverá mudança no nome da equipe. Desde 1995, o Paulista mudou o nome para Lousano, depois para Etti Jundiaí, Jundiaí Futebol Clube. Atendendo ao resultado de um plebiscito feito com a população, o clube voltou a utilizar o tradicional nome Paulista."Isso já está certo. O PSV terá dois gerentes cuidando da área técnica e financeira. Haverá mudanças na camisa. Mas o nome continuará sendo Paulista. Essa é uma exigência nossa", frisa.O Estádio Jaime Cintra não fará parte da parceria com o PSV, mas o acordo prevê a implantação de um projeto de modernização, com investimentos da Philips.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.