Fabio Menotti/Ag. Palmeiras
Fabio Menotti/Ag. Palmeiras

Puma desponta como favorita para vestir o Palmeiras em 2019

Marca ganha preferência de concorrentes por oferecer uma participação maior no lucro com as vendas dos produtos oficiais

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

21 de fevereiro de 2018 | 18h48

A Puma é a candidata mais próxima de fechar acordo com o Palmeiras para ser a fornecedora de material esportivo da equipe no próximo ano. A proposta da empresa é a que mais agrada no momento e segundo pessoas envolvidas às negociações, aparece em vantagem das duas concorrentes Adidas e Topper na disputa para vestir o time a partir da próxima temporada.

+ Lucas Lima: 'Sempre fui bem contra o Corinthians'

+ Borja é o segundo melhor finalizador do Estadual

A marca tida como favorita no momento ofereceu ao clube condições consideradas mais vantajosas e que podem gerar uma receita superior aos cerca de R$ 20 milhões pagos anualmente pelo contrato em vigor com a Adidas. O acréscimo pode chegar a ser 20% maior graças à participação maior no repasse referentes a venda de produtos oficiais aos consumidores. Essa condição, inclusive, foi uma das decisivas para a empresa despontar como favorita na disputa.

Por obrigação contratual, a Adidas foi contactada pelo clube para saber se poderia cobrir a proposta da Puma. A resposta até o momento foi negativa. Durante as negociações foi a Topper quem chegou a apresentar um valor maior fixo pela assinatura do contrato, porém perdeu preferência pela concorrente ter atrativos como exposição internacional do clube e uma linha maior de produtos.

A definição do contrato está prevista para as próximas semanas. O clube e a nova fornecedora têm pressa para começarem a fazer os novos uniformes, assim como realizar a aprovação dos novos modelos. A Adidas fornece o material esportivo para o Palmeiras desde 2006.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasCampeonato Paulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.