Punido, Corinthians pede para que torcedor não vá ao Pacaembu

Acatando a sanção da Conmebol, time joga de portões fechados contra o Millionários, da Colômbia

Denise Bonfim, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2013 | 10h29

SÃO PAULO - Proibido de abrir os portões para seus torcedores na próxima quarta-feira no confronto contra o Millionários (COL), pela Copa Libertadores, o Corinthians pediu por intermédio de uma nota oficial para que não haja concentração nos arredores da Praça Charles Miller, em frente ao Estádio do Pacaembu, em São Paulo.

O recurso, enviado à entidade na última sexta-feira e que poderia anular a decisão, foi indeferido na manhã desta terça, impedindo que a torcida corintiana assista às próximas partidas do clube devido ao acidente com um sinalizador em Oruru, na Bolívia, quando a equipe enfrentava o San José.

Confira a nota na íntegra:

"A diretoria do Sport Club Corinthians Paulista, no intuito de defender os direitos dos torcedores, principalmente aqueles que já adquiriram os ingressos de forma antecipada, tentou todos os recursos jurídicos para reformar a medida cautelar imposta ao clube pela Conmebol na última quinta-feira.

Como o pedido de reforma foi negado, o Corinthians acata a decisão da entidade sul-americana e mandará as partidas da Copa Libertadores com os portões fechados até o julgamento, que deverá ocorrer no prazo de 60 dias.

Os torcedores que adquiriram ingressos poderão usar os valores como crédito no programa Fiel Torcedor ou pedir o ressarcimento do dinheiro. No entanto, como o volume de recursos e número de torcedores afetados é muito grande, nem todos poderão ser atendidos nas primeiras horas. Por isso contamos com a paciência dos afetados pelos cancelamentos.

Por fim, pedimos ao torcedor que evite ir às imediações do estádio do Pacaembu durante o período em que a punição valer. Tenha certeza que a camisa corinthiana será, como sempre, honrada, com muito suor e determinação."

ORGANIZADAS NÃO COMPARECERÃO

Entre as direções das torcidas organizadas, a orientação é permanecer nas quadras. A Gaviões da Fiel, segundo a assessoria, planeja instalar um telão em sua sede, no Bom Retiro. "Queremos evitar a concentração na Praça Charles Muller". A torcida fez um acordo com a Polícia Militar e não fará nenhum tipo de manifestação. Rogério Maldonado "Bambu", presidente da Estopim da Fiel, pediu aos sócios que também não compareçam ao estádio. "Estamos nos organizando para assistir ao jogo nas sedes e sub-sedes da Estopim. Orientamos a todos para não ir até lá, e se ir, não ir uniformizado", afirmou. Um comunicado oficial com as instruções foi divulgado na página oficial da torcida.

Na internet, os torcedores estão se organizando por intermédio de eventos no Facebook. Intitulada de "Invasão à Praça Charles Miller",  a manifestação convoca para "lotar a Praça do Pacaembu, em uma manifestação de amor e fidelidade". Entre as várias imagens, enquetes e mensagens de motivação e incentivo postadas no evento, os participantes pedem paz, organização e tranquilidade, para que não haja ocorrência de nenhum incidente em maiores proporções.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.