Yuri Kochetkov/EFE
Yuri Kochetkov/EFE

Putin diz que Rússia foi alvo de 25 milhões de ciberataques durante a Copa

Grupo internacional de segurança contou com 130 representantes de serviços especiais de 34 países

Jamil Chade, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2018 | 08h14

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou que quase 25 milhões de ciberataques  e "influências criminais" foram neutralizados contra a infraestrutura de informação da Rússia, em relação à Copa do Mundo de 2018.

+ Tá russo! Fifa: ingênua ou cúmplice de graves abusos de direitos humanos?

+ Opositores russos se preocupam com aumento da repressão após a Copa

+ Final da Copa se transforma em palco de preparação para cúpula de Putin e Trump

Num encontro com representantes do Centro de Cooperação Internacional de Operações do Mundial, responsável pela segurança do torneio, ele parabenizou os trabalhos do grupo e usou os números para mostrar como a cooperação internacional havia dado resultados.

"Quase 25 milhões de ciberataques e outras influências criminais sobre a infraestrutura de informação relacionada à Copa foram frustradas durante o torneio", disse Putin.

O grupo internacional contou com 130 representantes de serviços especiais de 34 países. O objetivo era o de manter a segurança durante a Copa, diante do risco de atentados terroristas.

Putin, porém, espera que a cooperação entre esses governos possa continuar. "Eu espero que essa cooperação construtiva continue e que contribua nos esforços de manter nossos cidadãos seguros", disse.

"Precisamos preservar o espírito de confiança que vai ajudar a desenvolver uma parceria para o bem comum. Esse é, certamente, um bom exemplo para o futuro", declarou Putin, de acordo com um comunicado do Kremlin.

 

 

"Esses objetivos comuns incluem combater o terrorismo internacional e o extremismo, combater o tráfico de drogas e a imigração ilegal, além de crimes transnacionais. Apenas unindo forças é que podemos lidar com esses desafios", defendeu.

Europa e EUA o acusam, porém, de ser um dos principais responsáveis por desestabilizar o cenário internacional. 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.