Sergei Karpukhin / Reuters
Sergei Karpukhin / Reuters

Putin e Infantino dão pontapé inicial a jogo de exibição com Ronaldo em Moscou

Além do atacante brasileiro, Lothar Matthäus e outras lendas do futebol participam da partida

Estadão Conteúdo

28 Junho 2018 | 12h18

No mesmo dia em que a fase de grupos da Copa do Mundo da Rússia será encerrada, os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da Fifa, Gianni Infantino, deram nesta quinta-feira o pontapé inicial de forma conjunta a um jogo de exibição realizado na Praça Vermelha, em Moscou, e que contou com ex-jogadores de destaque do futebol mundial, entre eles o brasileiro Ronaldo.

+ A cinco cadeiras de distância, Coronel Nunes desconhecia Dmitry Medvedev

+ Marcelo apresenta 'boa melhora' de dores nas costas, diz CBF

Campeão do mundo com o Brasil em 1994 e 2002, o ex-atacante fez parte de um time de lendas da Fifa, que também teve os espanhóis Iker Casillas e Carles Puyol, vencedores da Copa de 2010, e Lothar Matthäus, capitão da Alemanha que faturou o Mundial de 1990. Alexey Smertin, ex-capitão da seleção russa, e Dmitry Bulykin, ex-jogador do Ajax, da Holanda, também integraram esta equipe.

Estes astros dividiram espaço com jovens selecionadas pelo clube FC Totem, cujos jogadores são ex-alunos da Casa das Crianças número 1 na cidade russa de Krasnoyarsk. Este time da Rússia foi fundado pelo CEO do Comitê Organizador Local (COL) do Mundial de 2018, Aleksey Sorokin, que também esteve presente na Praça Vermelha juntamente com o presidente do COL, Arkady Dvorkovich.

A partida de caráter promocional foi apitada pelo árbitro profissional russo Mikhail Vilkov, sendo que em certo momento do jogo o ex-atacante Ronaldo brincou ao pedir pelo uso do VAR (arbitragem de vídeo, na sigla em inglês) para esclarecer um lance considerado duvidoso.

"Este é o coração do futebol e durante estes meses este é o coração do mundo e o coração do futebol", afirmou Infantino durante o evento desta quinta na Praça Vermelha, onde o dirigente exaltou o sucesso esportivo do Mundial até aqui.

 

"O mundo inteiro está assistindo e vendo a Rússia e que festa e celebração fantásticas estamos tendo aqui. Foi uma celebração inacreditável, com grandes jogos e perfeita organização em um país hospitaleiro. Você anda pelas cidades e pode ver homens, mulheres, meninos e meninas com camisas de diferentes países comemorando juntos. Isso é futebol", reforçou o presidente da Fifa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.