Quadrado mágico dá show e Brasil goleia Lucerna por 8 a 0

Com uma boa apresentação do quadrado mágico de Carlos Alberto Parreira, a seleção brasileira atropelou o time de Lucerna ao golear os adversários por 8 a 0, nesta terça-feira, no Estádio Saint Jakob, na Basiléia. Esse foi o penúltimo amistoso que o País fez antes da estréia da Copa do Mundo da Alemanha. O time volta a campo no domingo, às 13 horas (de Brasília), contra a Nova Zelândia, em Genebra, também na Suíça. Parreira já adiantou que pretende manter o esquema com Ronaldo, Adriano, Kaká e Ronaldinho Gaúcho para o confronto diante da Croácia, no dia 13, pela primeira rodada do Grupo F. Em caso de vitória, o sistema será mantido também diante da Austrália (18) e Japão (23). Apesar da fragilidade, a equipe de Lucerna, que conquistou o título da segunda divisão suíça, levou perigo ao gol brasileiro logo aos 8 minutos. Em um erro de marcação, o atacante Tchouga chutou rasteiro, na entrada da área, e Dida espalmou para escanteio. Os pentacampeões deram a resposta aos 14. Roberto Carlos cruzou na área e Ronaldo cabeceou rente à trave, mas o juiz marcou impedimento erroneamente. Seis minutos depois, o quadrado mágico deu sua primeira demonstração de poder. Ronaldinho Gaúcho lançou Ronaldo e o atacante tocou para a Adriano, que chamou a marcação de dois zagueiros e rolou para Kaká. O meia do Milan conduziu a bola e chutou cruzado na entrada da área, no canto direito do goleiro Zibung, para fazer 1x0. O segundo gol saiu num lance confuso. Aos 37, Kaká cruzou para Ronaldinho Gaúcho, que tocou de cabeça para Ronaldo. O jogador do Real Madrid dominou e, na entrada da área, chutou na trave. Na seqüência, Kaká cruzou novamente na saída do goleiro Zidung e Adriano, aproveitando o gol vazio, cabeceou para o fundo das redes. O esquema ofensivo de Parreira voltou a funcionar aos 43 minutos. Ronaldo recebeu passe de Kaká, partiu na velocidade, invadiu a área e bateu no canto direito, sem chances para o goleiro suíço, que sequer pulou na bola. Feliz com o bom desempenho do time, Carlos Alberto Parreira disse no intervalo do jogo que não iria fazer nenhuma alteração para a etapa complementar e elogiou o desempenho dos seus atletas. "A hora que nós assumimos o domínio no meio-campo, começamos a criar as oportunidades. Esse é o forte do nosso time. Toda vez que saímos com velocidade conseguimos marcar", comentou. "O importante é que corri e me movimentei bastante e não senti a lesão, que me impediu de jogar por um tempo e não era tão simples como parecia", disse Ronaldo, que voltou a disputar uma partida após algumas semanas por causa de uma lesão muscular. No segundo tempo, o Brasil manteve o forte ritmo e chegou ao quarto gol aos 14 minutos. Em uma bobeira da zaga adversária, o volante Zé Roberto roubou a bola e tocou para Ronaldo que, livre, chutou para o gol vazio. Dois minutos depois, Emerson deu um belo passe para Lúcio, que chutou na saída do goleiro. Com um placar elástico, Parreira resolveu fazer quatro alterações aos 20 minutos. Tirou Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo, Kaká e Zé Roberto para a entrada de Robinho, Juninho Pernambucano, Ricardinho e Edmílson. As alterações surtiram efeito e a seleção brasileira ampliou a vantagem aos 25. Em uma cobrança de falta, a bola foi rolada para Juninho Pernambucano, que acertou o ângulo esquerdo do goleiro Grego. Dois minutos depois, o Brasil fez mais duas mudanças: Gilberto e Cicinho entraram no lugar de Roberto Carlos e Cafu, respectivamente. Em seguida, os pentacampeões do mundo chegaram ao sétimo gol. Robinho foi lançado e mandou uma bomba no canto esquerdo. A goleada foi fechada aos 41. Robinho recebeu no ataque e passou para Adriano. O atacante passou por um marcador e chutou sem chances para Grego. A delegação brasileira retorna a Weggis ainda nesta terça-feira. O time de Parreira está se preparando para o Mundial da Alemanha há mais de uma semana na cidade suíça. A viagem até o Park Hotel dura cerca de 1h30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.