Douglas Teixeira/Portuguesa Santista
Douglas Teixeira/Portuguesa Santista

Quarta Divisão do Campeonato Paulista começa com disputa judicial e desinteresse dos times

Competição conta com 29 clubes e apenas duas vagas para Série A3

Alison Negrinho, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2017 | 08h00

Quarto nível do futebol de São Paulo, a Segunda Divisão do Campeonato Paulista tem início neste sábado, repleta de dificuldades. Pouco antes do começo, a FPF sofre com o desinteresse das equipes em participar, além de problemas judiciais. 

Diferente dos anos anteriores quando os times eram autorizados a inscrever até três jogadores acima dos 23 anos, o regulamento foi alterado, e apenas atletas nascidos a partir de 1994 poderiam entrar em campo. A mudança, porém, durou pouco e, após ação movida pelo Sindicato dos Atletas Profissionais do Estado de São Paulo (Sapesp), a Justiça do Trabalho emitiu liminar garantindo a presença dos chamados "veteranos" na competição. Em caso de descumprimento da decisão, a Federação terá de pagar uma multa diária de até R$ 60 mil.

Como se não bastasse o impedimento judicial, a FPF encara ano após ano a falta de interessados em jogar a Segunda Divisão. Rebaixado da Série A3 na temporada passada, o tradicional Guaratinguetá não viu atrativos em participar do torneio e anunciou sua desistência. Para efeito de comparação, 45 clubes disputaram o campeonato em 2013. Quatro anos depois, serão 29.

Os times estão divididos em quatro grupos com sete participantes cada. A exceção fica por conta do Grupo 3, com oito equipes. Entre as novidades está o Real Cubatense, fundado em 2016 e sediado em Cubatão, mas que se filiou, com a conivência da Federação, como sendo de Santos, já que o regulamento exige um estádio de 5 mil pagantes na cidade do clube. Além disso, equipes como Brasílis, Francana e Taquaritinga voltam a participar.

A primeira fase do torneio é regionalizada. Já na segunda etapa, são divididos quatro grupos e os dois melhores avançam para o mata-mata. Apenas os dois primeiros colocados garantem vaga na Série A3 de 2018.

Dentro de campo, a realidade dos times não é das melhores. Muitos sofrem pela falta de apoio da própria entidade que comada o futebol paulista, assim como revelou Anderson Nobrega, presidente do Taboão da Serra, que conquistou o acesso na temporada passada.

"Não tem incentivo nenhum. Uma hora os clubes menores vão acabar estourando. Não adianta abrir calendário pro ano todo para essas equipes se não existe apoio, não tem como manter o jogador. Para deixar o clube aberto você acaba tirando do próprio bolso", disse.

Em nota enviada ao Estado, a Federação Paulista de Futebol defende o campeonato. "O interesse dos clubes na disputa da Segunda Divisão não diminuiu. Foi realizado pré-conselho, no qual mais de 40 clubes demonstraram interesse em disputar a competição. Mas, por pendências, alguns não estiveram aptos a participar do campeonato."

Sobre a questão judicial, a FPF informa que solicitou à Justiça a reconsideração da decisão, já que se tratou de uma decisão dos clubes em Conselho Técnico realizado no início do ano. A entidade também afirma que tem aumentado o apoio aos clubes. "Nos dois anos de gestão do presidente Reinaldo Carneiro Bastos, a FPF aumentou em 187% a subvenção aos clubes. Saltou de R$ 7,8 milhões em 2014 para R$ 20,9 milhões em 2016", afirma a entidade.

Confira os grupos da Segunda Divisão do Campeonato Paulista:

GRUPO 01

América

Assisense

Grêmio Prudente

José Bonifácio

Osvaldo Cruz

Presidente Prudente

Vocem

GRUPO 02

Amparo

Francana

Inter de Bebedouro

Brasilis

Taquaritinga

XV de Jaú

Jaguariúna

GRUPO 03

Itararé

Guarulhos

Barcelona

Diadema

Elosport

Primavera

E.C São Bernardo

Osasco

GRUPO 04

Manthiqueira

Real Cubatense

Atlético Mogi

Grêmio Mauaense

Jabaquara

São José

União Mogi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.