Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Quarteto da seleção se sente em casa na Bahia

Daniel Alves, Dante, David Luiz e Hulk esperam contar com o apoio da torcida

Mateus Silva Alves - Enviado Especial, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2013 | 07h21

FORTALEZA - A seleção brasileira chegou no fim da tarde desta quinta-feira a Salvador, onde no sábado enfrentará a Itália, para alegria do povo baiano (ou, pelo menos, de boa parte do povo baiano) e de quatro jogadores que têm bons motivos para se sentir em casa: o lateral-direito Daniel Alves, os zagueiros Dante e David Luiz e o atacante Hulk. Os dois primeiros são baianos e os últimos jogaram em Salvador, ambos no Vitória.

Sem nenhuma dúvida, o mais empolgado com a volta à Bahia é Daniel Alves. Nascido em Juazeiro, cidade localizada na divisa com Pernambuco, ele foi criado para o futebol nas divisões de base do Bahia, o único clube que defendeu no Brasil. Por isso, não vê a hora de pisar de novo no gramado da Fonte Nova, que está agora muito diferente daquela Fonte Nova que ele deixou quando foi jogar no Sevilla, da Espanha, em 2003. “Vai ser um dia especial, único na minha vida. Será como uma volta no tempo. A Fonte Nova foi, é e sempre será um estádio especial para mim porque foi onde tudo começou.”

Segundo Daniel, seu jogo inesquecível no principal estádio de Salvador foi a estreia no time profissional do Bahia, contra o Paraná, em 2001, pelo Campeonato Brasileiro. “Não tem jeito, a estreia é sempre o jogo que marca mais. Eu me lembro que o Evaristo (de Macedo, na época o técnico do Bahia) só me disse: 'Vá lá e jogue'.” E Daniel, então com 18 anos, jogou mesmo. Ele sofreu um pênalti e deu uma assistência na vitória por 3 a 0 de sua equipe.

Hulk, Dante e David Luiz também sentirão uma emoção especial quando estiverem diante do público baiano. Assim como o paulista David, o paraibano Hulk teve passagem curta pelo Vitória, o que não o impediu de guardar boas lembranças de Salvador. E o atacante do Zenit São Petersburgo, da Rússia, espera novamente contar com a solidariedade nordestina que tanto o ajudou em Fortaleza – vaiado em vários jogos da seleção no País, ele foi bastante aplaudido e incentivado pela torcida cearense.

“É lógico que eu recebo mais apoio por ser aqui de cima”, comentou o jogador. “É claro que o nordestino tem uma relação especial com a seleção, até porque não tem o costume de receber o time. Quando a gente vem para cá, ele quer aproveitar, ficar perto de nós.”

Daniel Alves concorda com seu companheiro e diz que fica sempre empolgado quando a seleção joga em sua região. “O Nordeste para a gente é sempre especial, eles vivem o clima de seleção com outro sentimento. É o que a gente quer em todos os Estados.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.