Andrej Isakovic / AFP
Andrej Isakovic / AFP

Quase 8 anos após grave acidente, Kubica é confirmado pela Williams e volta à F-1

Equipe terá dupla completamente nova para 2019; confira todos os pilotos já confirmados para nova temporada

Estadão Conteúdo

22 de novembro de 2018 | 09h58

Quase anos após sofrer um grave acidente em uma prova de rali que quase lhe custou a sua vida, Robert Kubica está de volta à Fórmula 1. O polonês foi oficialmente confirmado, nesta quinta-feira, como piloto titular da Williams para a temporada de 2019 da máxima categoria do automobilismo.

Hoje com 33 anos, Kubica formará dupla na equipe britânica com o britânico George Russell, que vai estrear na F-1. O experiente corredor havia firmado um acordo anteriormente para ser titular do time inglês em 2018, mas acabou perdendo a vaga na última hora após a escuderia optar por recuar no compromisso e confirmar Sergey Sirotkin, que trouxe com ele os patrocínios vindos da Rússia.

Agora, porém, o polonês comemora o seu retorno à Fórmula 1, na qual subiu por 12 vezes ao pódio entre 2006 e 2010, período em que venceu o GP do Canadá de 2008 pela extinta equipe BMW Sauber, pela qual terminou o Mundial daquele ano na quarta posição. Ele defendeu o time até 2009, antes de se transferir para a Lotus Renault em 2010.

"Antes de tudo, quero agradecer todo mundo que me ajudou naquilo que foi um período difícil da minha vida ao longo desses últimos anos. Foi uma jornada muito desafiadora até voltar ao grid da Fórmula 1. Aquilo que parecia quase impossível começa a parecer possível, agora que estou animado por poder dizer que vou estar no grid da F-1 em 2019", afirmou Kubica, confirmado pela Williams um dia antes dos primeiros treinos livres do GP de Abu Dabi, prova que fechará esta temporada no domingo.

Com a confirmação de Kubica, a Williams garante a presença de uma dupla de pilotos totalmente nova para 2019. Além de Sirotkin, o canadense Lance Stroll é outro que está de saída da tradicional equipe, que amarga a temporada mais decepcionante de sua história na Fórmula 1, na qual ocupa a última posição do Mundial de Construtores, com apenas sete pontos.

E agora o polonês espera ter sucesso neste processo de reconstrução da escuderia britânica. "Foi uma longa jornada até chegar a esse ponto. Esse desafio termina agora com esse anúncio enquanto outro começa ao trabalhar com a Williams na pista. Não vai ser fácil, mas com trabalho e dedicação meu e do George (Russell) nós vamos trabalhar para tentar melhorar a equipe e ficar em melhor posição no grid. O ano foi difícil, mas aprendi muito. Quero agradecer ao Sir Frank (Williams) e à Claire (Williams) pela oportunidade", ressaltou.

DE VOLTA APÓS O DRAMA

De volta à F-1, Kubica chegou a correr sério risco de morte após o grave acidente que sofreu no dia 6 de fevereiro de 2011, quando teve fraturas múltiplas nos membros do lado direito do corpo. As lesões no braço, mão e perna foram causadas pela forte batida a bordo de um Skoda Fabia em sua participação no rali Ronde di Andora, realizado na Itália.

Três dias antes disso, o polonês havia liderado a bateria final de testes da pré-temporada da F-1, em Valência, com a sua Lotus Renault. Por causa do acidente, ele correu o risco de ter a mão direita amputada e passou por mais de uma cirurgia, sendo que também sofreu fraturas no pé e no ombro. O piloto ficou na UTI do hospital onde foi internado na Itália, depois de perder muito sangue no acidente, que lhe obrigou a ser submetido a um longo e complicado processo de recuperação.

"Estar de volta ao grid da F1 na próxima temporada será uma das maiores conquistas da minha vida, e tenho certeza de que, com muito trabalho e comprometimento, poderemos ajudar a motivar a equipe a conseguir coisas boas juntos. Obrigado novamente a todos que me apoiaram e acreditaram em mim. Eu finalmente estarei de volta ao grid atrás do volante de um carro de F-1, e mal posso esperar para voltar às corridas", festejou.

Após o término desta temporada neste final de semana em Abu Dabi, o Mundial de Fórmula 1 de 2019 será iniciado no dia 17 de março, data do GP de Melbourne, na Austrália.


Confira as duplas de pilotos da Fórmula 1 para 2019:

Mercedes - Lewis Hamilton e Valtteri Bottas

Ferrari - Sebastian Vettel e Charles Leclerc

Red Bull - Max Verstappen e Pierre Gasly

Renault - Daniel Ricciardo e Nico Hulkenberg

Haas - Romain Grosjean e Kevin Magnussen

McLaren - Carlos Sainz e Lando Norris

Force India - Sergio Perez e TBC*

Toro Rosso - Daniil Kvyat e TBC*

Sauber - Kimi Raikkonen e Antonio Giovinazzi

Williams - George Russell e Robert Kubica


(*) piloto ainda a ser confirmado

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1WilliamsRobert Kubica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.