Paulo Pinto/Estadão
Paulo Pinto/Estadão

Quase artilheiro do Brasileiro, Tévez perdeu posto para Romário

O argentino marcou menos vezes do que o concorrente no Brasileiro de 2005, apesar de ter sido campeão

Wilson Baldini Jr., O Estado de S. Paulo

16 Novembro 2017 | 00h57

A história recente do Corinthians reúne muitos artilheiros que marcaram época. Carlitos Tevez é um deles. Em seu único Campeonato Nacional disputado com a camisa alvinegra, o argentino ficou muito perto de terminar como o maior goleador do torneio. Foi em 2005, quando balançou as redes por 20 vezes, mas acabou superado por Robson, do Paysandu (21 gols) e Romário (22), do Vasco.

+ Em campanha de extremos, Corinthians supera dificuldades

+ Cássio dá a volta por cima e sonha com vaga na Copa

+ Baixe o wallpaper do Corinthians campeão brasileiro

Lá atrás, o grande artilheiro corintiano foi Neco, goleador de nove campeonatos estaduais (1914, 1917, 1918, 1919, 1920, 1921, 1922, 1923 e 1925).

Teleco é outro nome lendário do Parque São Jorge. Foi ele que liderou a artilharia por sete temporadas seguidas, de 1935 a 1941, quando o futebol era bem diferente do praticado atualmente. É dele a melhor média de gols em um ano: 1,76. Foram 46 gols em 26 jogos. Era 1936.

Mas ninguém fez mais gols do que o centroavante Flávio Minuano, que em 1965 marcou 55 vezes em 55 partidas. Flávio foi o maior artilheiro do clube em quatro de cinco temporadas. Mesmo desempenho tiveram Baltazar (o Cabecinha de Ouro, centroavante do histórico título do Quarto Centenário em 1954) e Sócrates, um dos maiores ídolos do time.

Marcelinho Carioca conseguiu unir artilharia e títulos. O Pé de Anjo foi o maior marcador de gols em cinco anos. Marcelinho soma sete taças conquistadas pelo time de Parque São Jorge: o Mundial de Clubes da Fifa em 2000, dois títulos do Campeonato Brasileiro (1998 e 1999), uma Copa do Brasil (1995), quatro Campeonatos Paulistas (1995, 1997, 1999 e 2001) e o Troféu Ramón de Carranza, na Espanha, de 1996.

O maior artilheiro do Corinthians em todos os tempos é Cláudio Cristóvão Pinho, que atuou pela equipe de 1945 a 1957. O "gerente", como era chamado, fez 305 gols, em 550 partidas. Jô já está neste grupo. Se superar Henrique Dourado, dará mais um conquista ao time.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.