Quatro brigam por vaga na Libertadores

Dos quatro times que buscam vaga na Taça Libertadores de 2004, o Coritiba é o mais empolgado. Tudo porque necessita apenas de uma vitória, em casa, contra o Criciúma, que não almeja mais nada no Brasileiro. A confiança é tão grande que o time retornou do Ceará, onde empatou por 2 a 2 com o Fortaleza, com camisa demonstrando o pensamento de todos no clube. ?Coritiba na Libertadores, eu acredito.? O técnico Paulo Bonamigo é mais enfático. ?Pode anotar: eu garanto que vamos estar na Libertadores.?A diretoria do time também entrou na euforia e já anunciou que os torcedores que comprarem ingresso até as 14 horas do dia da partida, no Estádio Couto Pereira, em Curitiba, pagarão meia entrada para qualquer setor. O objetivo é ter o estádio lotado impulsionando o Coritiba à sua segunda Libertadores ? a primeira foi em 1986.No Estádio Anacleto Campanella acontece o jogo do ano para São Caetano e Internacional. Tudo o que o técnico Tite, do time do ABC não queria: decidir a vaga na última rodada. ?Ainda dependemos de nossas próprias forças e vamos fazer de tudo para buscar esta vaga?.A matemática é simples. O São Caetano é o 5º colocado, com 71 pontos e se vencer chegará aos 74, superando os gaúchos, que têm 72, garantindo a vaga ? Cruzeiro, Santos e São Paulo, já estão confirmados.Mas para vencer o São Caetano ?terá de ter qualidade?, cutuca Tite, que não gostou do rendimento do time na derrota por 2 a 1 para o Juventude. ?Muitos jogos nós perdemos, mas jogando bem. Desta vez não, perdemos jogando mal?, criticou.No Inter, a arma é levar torcedores a São Caetano, ?secar? a seleção sub-20 no mundial da categoria e recompor o 3-5-2 com a volta de Sangaletti.A diretoria anuncia hoje o esquema para convencer colorados a enfrentarem 20 horas de estrada para apoiar o time. Em outra frente, estarão torcendo para o Brasil ser eliminado, assim contarão com Daniel Carvalho e Nilmar. ?Sou Eslováquia desde criancinha?, brinca o presidente do clube, Fernando Carvalho, que critica o que qualifica de ?falta de critérios? do técnico da seleção por ter levado jogadores importantes do time numa hora decisiva.A tarefa do Atlético-MG é a mais difícil. Necessita vencer o Goiás e contar com tropeços de São Caetano e Coritiba. ?Temos de ter fé em Deus e acreditar até o final. Assim como o Goiás ficou para trás, os outros times também podem tropeçar. E se isso acontecer, precisaremos fazer nossa parte?, disse o técnico Procópio Cardoso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.