Quilmes pede desculpas ao São Paulo

A seis jogos do tão sonhado título do Campeonato Paulista, o São Paulo só quer saber de paz. Depois de encarar semana tumultuada, sofrendo discriminação racial no duelo com o Quilmes, pela Libertadores, quarta-feira, e de Frontini, do Marília, sábado, pelo Estadual, o time aceitou o pedido de desculpas dos rivais e abriu mão de entrar com pedido de punição nas devidas federações.Após não constar na súmula do árbitro Oscar Ruiz os insultos racistas a Alê, Mineiro e Grafite, chamado de "macaco e negro de merda", como o próprio revelou, o presidente Marcelo Portugal Gouvêa estudava entrar com ofício na Conmebol. "Vamos estudar a melhor forma para pedirmos providências", havia dito o dirigente, sexta-feira pela manhã.À tarde, porém, mudou de idéia ao receber carta do Quilmes, pedindo desculpas, como revelou neste domingo, na Rádio Trianon. "Nunca tinha recebido uma carta como esta de nenhum clube. Isto mostra o quanto eles são sensatos", afirmou Gouvêa.O fato de Frontini ter chamado Fabão de "macaco" no sábado, também não terá desdobramentos no clube. Isso porque o argentino do Marília encontrou-se com o zagueiro após o jogo e se entenderam. Mas Frontini terá de se explicar na Federação paulista de Futebol. A Secretaria Especial de Participação e Parcerias (coordenadoria do negro), vai entrar com pedido de punição ao atleta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.