Racismo tira jogo de Johannesburgo

A partida que a seleção da África do Sul faria contra Zimbabwe, em 5 de maio, pelas eliminatórias africanas para a Copa do Mundo de 2002, não será mais disputada em Johannesburgo, por causa do racismo que ainda persiste no país. O jogo estava programado para ser disputado no Newland rugby Stadium, localizado num bairro branco da cidade, mas a prefeitura não permitiu a realização. ?É realmente muito triste que anos depois do fim do apartheid ainda existam certas regras e velhas leis a favor do racismo. Não podemos jogar numa cidade que mantenha essas atitudes, disse o presidente da Federação de Futebol da África do Sul, Danny Jordaan. A partida deve ir para a cidade de Durban. Na África do Sul, onde durante anos imperou um racismo institucionalizado, o rugby é considerado o esporte dos brancos e o futebol dos negros. A legislação da cidade de Johannesburgo determina que jogos de futebol precisam de autorização especial para serem disputados em bairros residenciais, o que na prática significa bairros brancos.Essa não foi a primeira vez que jogos de futebol foram proibidos na cidade. As vítimas da decisão foram o Santos, formado por muçulmanos, e Ajax Cape Town, uma filial sul-africana do holandês Ajax.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.