Racismo: Zidane defende a Espanha

O craque francês do Real Madrid e campeão do mundo em 98, Zinedine Zidane, afirmou nesta sexta-feira ao jornal francês L?Equipe que a Espanha não é um país racista. "O problema do racismo existe no mundo todo e aqui há tantos meios de comunicação que a repercussão é maior. Mas não acho que a Espanha seja um país racista", declarou o jogador.Zidane revela que, para ele, a maioria dos espanhóis são acolhedores, tolerantes. "Seria uma estupidez dizer que este país é racista."Apesar disso, Zidane reconheceu que encontrou dificuldades para lidar com atos racistas na Espanha como qualquer outra pessoa de origem estrangeira. O francês culpa uma minoria que quer provocar pânico e que se fale sobre suas ações. "E eles (a minoria) conseguem. É o objetivo desta gente, sua vida. Todos nós juntos temos de combatê-los, mas será difícil fazer esta minoria desaparecer", completou o craque.O racismo virou alvo das autoridades da Espanha e foi duramente criticado pela imprensa e por entidades do futebol, como a Uefa e a Fifa, que ameaçam a Federação Espanhola com multas e sanções. Tudo começou com declarações xenófobas do treinador da seleção da Espanha, Luis Aragonés, contra o atacante do Arsenal, o francês Thierry Henry. Depois disso, torcedores espanhóis imitaram sons de macaco no amistoso do dia 17 do mês passado entre Espanha e Inglaterra, no Santiago Bernabéu, quando os jogadores negros pegavam na bola.Uma semana depois, os brasileiros Roque Júnior e Juan também foram vítimas dos mesmos insultos no jogo Real Madrid x Bayer Leverkusen, na capital espanhola. Tudo isso levou o governo espanhol a lançar um plano imediato, na quinta-feira, para a criação de um "observatório contra o racismo". Segundo propostas, os participantes de atos xenófobos podem ser condenados a pagar 60 mil euros ou ficar proibidos de entrar em estádios por cinco anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.