Rafael será titular do São Paulo, depois de cumprir suspensão

Lateral-direito suspenso por adulteração de documento volta e estréia no time principal contra o Paulista

Alfredo Luiz Filho, Jornal da Tarde

20 de fevereiro de 2008 | 19h59

Em 2006, Rafael foi campeão paulista sub-17 com o São Paulo. Passados dois anos, já com 21, ele será pela primeira vez o titular da lateral-direita do time profissional nesta quinta-feira, contra o Paulista. A conta não está errada, não. Natural de Parauapebas, no Pará, o jogador aceitou adulterar sua documentação quando tinha apenas 14 anos de idade - baixou para 12. Tudo por conta do desejo de se tornar um atleta profissional. "Foi a oportunidade que eu tive para estar aqui hoje. É uma coisa passada. Só quero pensar daqui para a frente", avisa o jogador, que impressiona pela personalidade. "Não tinha escolha. Era uma oportunidade única." Rafael Lopes Ferreira pagou o preço da fraude feita em Marabá, cidade vizinha a Parauapebas. Topou mudar de idade para vir a São Paulo disputar um torneio. Fez três jogos e despertou o interesse de alguns clubes. O melhor: o Atlético Paranaense. Já com a camisa do clube rubro-negro, Rafael chamou a atenção do São Paulo. Decidiu largar o clube paranaense e vir para a capital paulista. O Atlético bem que tentou segurá-lo, mas como ainda não era profissional, o garoto brigou para ficar. Chegou em 2005 e no ano seguinte, ao lado do zagueiro Breno, foi campeão paulista sub-17 em cima do Corinthians. Havia chegado a hora de contar a verdade. O São Paulo denunciou Rafael para a Federação Paulista de Futebol (FPF) e, em agosto do ano passado, ele foi punido com seis meses de suspensão - pena que terminou na semana passada. Durante esse período, Rafael ficou treinando sozinho em Cotia. O São Paulo não o abandonou - pelo contrário: acredita tanto nele que renovou seu contrato até 2012. "Eu estou preparado. Para tudo. Não vim para ser só mais um. Meu jogo é para cima, para crescer. Não jogo para atrás, não", avisa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.