Alexandre Vidal / Flamengo
Alexandre Vidal / Flamengo

Rafinha divide méritos com time do Fla e vê moral em alta para quarta-feira

Lateral dá duas assistências em jogo antes da decisão contra o Emelec pela Libertadores

Redação, Estadão Conteúdo

28 de julho de 2019 | 19h36

De volta ao Brasil após quase 15 anos, Rafinha foi um dos principais destaques da vitória do Flamengo sobre o Botafogo, por 3 a 2, neste domingo, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Decisivo, com participação direta em dois gols, primeiro com passe para Gerson, depois com cruzamento para Bruno Henrique, ele preferiu dividir o mérito da vitória com o restante do elenco.

"Prefiro enaltecer o grupo, porque a gente vem fazendo boas partidas. No último jogo (derrota para o Emelec por 2 a 0), foi um pecado. Não encaixamos. Mas a sorte tem que virar. A gente domina o jogo, cria 10 ocasiões de gol, e os caras vão no nosso gol uma vez e fazem. Certeza que vai virar para o nosso lado, clarear para a gente. É difícil, pois contra o Flamengo todo mundo joga, todo mundo cresce. Mas é legal. Estou feliz pela vitória. É um sinal para quarta-feira", comentou o jogador.

No meio de semana, o Flamengo encara o Emelec, no jogo de volta das oitavas de final da Copa Libertadores, no Maracanã. Os cariocas precisam de uma vitória de dois (para levar a definição aos pênaltis) ou mais gols de diferença para garantir a vaga, já que perderam o primeiro jogo, por 2 a 0. O gol fora vale como critério de desempate, o que pode favorecer o time do Equador.

"A gente sabe que a gente tem condição de marcar gols. Na quarta-feira nós não jogamos bem, tentamos, mas agora é outra partida, outro jogo, diante nosso torcedor, com a força deles e nossa vontade, vamos conseguir reverter esse placar. Precisamos dessa vontade, desse algo mais ali na frente. A equipe mostrou hoje", acrescentou o lateral.

Para a partida, Jorge Jesus ganhou mais dois problemas, já que o zagueiro Rodrigo Caio e o jovem atacante Lincoln, de 18 anos, deixaram o gramado neste domingo com dores musculares. Além deles, o treinador tem no departamento médico, o atacante Vitinho, os meias Everton Ribeiro e Arrascaeta. Sem contar com o meia Diego, que sofreu lesão grave e só volta a jogar em 2020.

"Todo jogo troco três, quatro jogadores. Não dá para mudar 11, nem tenho essa ideia. O Gabigol é um desses jogadores e cada vez mais está mais difícil para trocar. Contra o Emelec tive que inventar, criar. Mas tenho que dar as respostas. Se não dá para caçar com cão, caça com gato", concluiu Jorge Jesus, treinador do Flamengo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.