Rafinha renova com Barça até 2020 e terá rescisão de 75 milhões de euros

O bom começo de temporada de Rafinha Alcantara pelo Barcelona o levou à seleção brasileira e foi reconhecido pelo clube nesta segunda-feira. Mesmo com o jogador afastado dos gramados por lesão, seu contrato foi renovado até o fim da temporada 2019/2020, com um substancial aumento de salário.

Estadão Conteúdo

23 de novembro de 2015 | 12h32

A assinatura do novo vínculo aconteceu na sede do clube nesta segunda, com participação do presidente do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, do vice, Jordi Mestre, e do secretário técnico, Robert Fernández. Por conta de seu novo salário, a multa rescisória de Rafinha chegou a 75 milhões de euros (quase R$ 300 milhões).

"É muito bonito viver isto. O Barcelona é minha casa, cheguei com 13 anos e estou muito feliz", declarou o meia, que celebrou a "rápida recuperação" que está tendo de sua lesão e a goleada no clássico sobre o Real Madrid. "Quando se junta os melhores jogadores do mundo com o trabalho e a regularidade, estes são os resultados."

Sem Rafinha, o Barcelona disparou 4 a 0 no Real Madrid no último sábado. O jogador está afastado há pouco mais de dois meses, desde o duelo contra a Roma, pela Liga dos Campeões, quando uma dura entrada resultou no rompimento do ligamento cruzado anterior de seu joelho direito. Ele passou por cirurgia e só deve voltar ao futebol no fim da temporada, em abril do ano que vem.

A lesão aconteceu em péssimo momento, porque Rafinha vinha se mantendo como uma das boas peças do Barcelona em 2015/2016. Revelado pelo clube, o jogador de 22 anos chegou a ser emprestado para o Celta de Vigo na temporada passada para adquirir experiência. Neste ano, no entanto, vinha sendo convocado para a seleção olímpica e ganhou até uma chance na principal, marcando inclusive um gol em amistoso contra os Estados Unidos.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBarcelonaRafinha Alcantara

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.