Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Raio-x da Copa do Brasil: pontos fortes e destaques dos semifinalistas

Torneio chega à reta final com quatro times que disputam também a Libertadores e já receberam R$ 12 milhões de prêmio

Ciro Campos, Redação

18 de julho de 2019 | 13h09

As semifinais da Copa do Brasil começam em agosto com a presença de times copeiros e participantes também da Copa Libertadores deste ano. De um lado, o Athletico-PR encara o Grêmio e do outro, o Inter desafia o atual bicampeão Cruzeiro. A CBF vai sortear os mandos de campo no dia 22 e as partidas estão marcadas para os dias 7 e 14 do próximo mês.

Cada um dos quatro finalistas recebem R$ 12,35 milhões como premiação por terem avançado até esta etapa da competição. Esta é apenas a terceira edição da história da Copa do Brasil sem a presença de times cariocas ou paulistas nas semifinais. As outras ocasiões foram em 1991 e 2016. O Estado preparou um resumo das campanhas e expectativas sobre cada um dos participantes.

Athletico-PR

A equipe do técnico Tiago Nunes aposta na força como mandante na Arena da Baixada para continuar vivo na competição. Dos quatro sobreviventes, o clube é o único a jamais ter vencido a competição. A melhor campanha é o vice-campeonato de 2013. O Athletico-PR passou nas oitavas de final pelo Fortaleza, graças a um gol no fim do jogo, e passou pelo Flamengo nos pênaltis. Os destaques são os argentinos Lucho González e Marco Rúben, assim como o garoto Bruno Guimarães, de 21 anos. O ponto fraco da equipe é a campanha ruim como visitante.

Campanha

Oitavas de final: 0x0 com o Fortaleza (fora) e vitória por 1 a 0 em Curitiba

Quartas de final: 1x1 com o Flamengo em Curitiba e no Rio, onde venceu nos pênaltis por 3 a 1  

Grêmio

O clube pentacampeão da Copa do Brasil começa a se recuperar na temporada após um início ruim no Brasileiro. O time do técnico Renato Gaúcho confia na ótima fase de Everton Cebolinha e na segurança defensiva de Pedro Geromel. O elenco é entrosado, joga junto há várias temporadas e conta com alguns atletas remanescentes do título da Copa do Brasil de 2016. O tricolor gaúcho superou o Juventude e o Bahia para chegar à semifinal, porém tem sofrido com a falta de produção ofensiva.

Campanha

Oitavas de final: 0x0 com o Juventude (fora) e vitória 3 a 0 em Porto Alegre

Quartas de final: 1x1 com o Bahia em casa e depois, ganhou por 1 a 0 em Salvador  

Cruzeiro

Atual bicampeão e maior vencedor da Copa do Brasil, com seis conquistas, o time mineiro novamente desponta como favorito. O técnico Mano Menezes tem ótimo conhecimento tático para armar defesas e adaptar a equipe para o formato de competições mata-mata. A velocidade de Pedro Rocha, a criação de Thiago Neves e a forte retaguarda, composta pelo goleiro Fábio e os zagueiros Dedé e Léo, fazem o Cruzeiro ser competitivo, apesar da má fase no Brasileiro. Para completar, o time se fortaleceu após eliminar o rival nas quartas de final, mas tem sofrido com a irregularidade e com os desfalques neste ano.

Campanha

Oitavas de final: 1x1 com o Fluminense, fora, e empate por 2 a 2 no Mineirão, seguido de vitória nos pênaltis por 3 a 1

Quartas de final: 3x0 no Atlético-MG, como mandante, e depois derrota por 2 a 0  

Inter

Campeão do torneio em 1992, a equipe gaúcha confia no elenco forte e no talento dos estrangeiros. O técnico Odair Hellmann está há tempo no cargo, resgatou o time da Série B e agora sonha com objetivos elevados. O gols do peruano Guerrero, a velocidade do uruguaio Nico López e a criatividade do argentino D'Alessandro formam os pilares de um time bastante competitivo e com muita confiança depois de ter tirado o Palmeiras. 

Oitavas de final: 3 a 0 no Paysandu, em casa, e vitória por 1 a 0 fora de casa

Quartas de final: Derrota por 1 a 0 para o Palmeiras em São Paulo e vitória pelo mesmo placar no Beira-Rio. Nos pênaltis, venceu por 5 a 4  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.