Sang Tan|AP
Sang Tan|AP

Ramires explica saída do Chelsea para a China: 'Proposta irrecusável'

Negociação foi a mais cara do futebol chinês

Estadão Conteúdo

28 Janeiro 2016 | 13h35

O brasileiro Ramires se tornou a mais cara contratação da história do emergente mercado chinês ao aceitar uma proposta na última quarta-feira para defender o Jiangsu Suning. Os valores oficiais não foram revelados, mas a imprensa inglesa garantiu que o Chelsea recebeu cerca de 25 milhões de euros para liberar o jogador. E foi justamente esta quantia que o meio-campista usou para justificar sua decisão de ir para a Ásia.

"Não é fácil deixar para trás o lugar onde eu passei os últimos cinco anos da minha vida, onde conquistei o respeito e admiração de todos, mas no futebol as coisas acontecem assim. O Jiangsu fez uma proposta irrecusável financeiramente para mim e para o Chelsea, posso garantir isso, e tudo acabou acontecendo rapidamente", declarou o jogador.

Ramires estava no Chelsea desde 2010, quando chegou após uma boa passagem pelo Benfica. No clube, conquistou uma Liga dos Campeões, um Campeonato Inglês, uma Liga Europa, uma Copa da Inglaterra e uma Copa da Liga Inglesa. Até por estes títulos, ganhou o carinho do torcedor inglês.

"Ontem mesmo (quarta) eu postei um comunicado de agradecimento nas minhas redes sociais e fiquei muito emocionado com os comentários dos torcedores. É gratificante ter esse reconhecimento, fica a certeza de que dei a minha contribuição e de que sempre serei lembrado como alguém importante na história do clube. Tenho muitos amigos em Londres e sempre que puder eu virei à Inglaterra para rever todos e também o clube e seus funcionários. Aprendi a amar o Chelsea e vou levar esse sentimento comigo para sempre", afirmou.

E em meio a tantos momentos especiais pelo clube inglês, Ramires escolheu um como o mais especial: o gol diante do Barcelona que garantiu o Chelsea na decisão da Liga dos Campeões de 2011/2012. "Vivi muitas alegrias no Chelsea, mas se eu fosse escolher um momento para resumir tudo isso, ficaria com aquele em que a bola passa por cima do Valdés. Esse gol que fiz contra o Barcelona representa muita coisa para mim e para os torcedores. Até hoje as pessoas me cumprimentam nas ruas por isso e acho que sempre será assim."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.