Ramon move ação contra Atlético-MG

O meia Ramon, do Atlético-MG, entrou nesta terça-feira, em Belo Horizonte, com uma ação na Justiça Trabalhista contra o clube, exigindo o direito de exercer a profissão e, desta forma, conseguir transferir-se para outra equipe. Ramon foi afastado do grupo principal do Atlético no mês passado, depois de desentender-se, em um treinamento, com o técnico Levir Culpi. O jogador, que havia acabado de se recuperar de uma contusão, queixou-se de ser colocado entre os reservas, em um coletivo, e bateu boca com Levir. O técnico atleticano - que antes já brigara com o meia Cleisson e com o apoiador Alexandre, atualmente no Botafogo-RJ - chegou a chamar Ramon de "QI de alface" e solicitou à diretoria que o punisse. Em resposta, o presidente do Conselho Deliberativo do clube, Alexandre Kalil, mandou que Ramon passasse a treinar isoladamente, fazendo corridas e trabalhos físicos na antiga sede do Atlético, longe dos titulares e seguindo horários pré-determinados. De acordo com o advogado do atleta, Guilherme Cruz, autor da ação trabalhista, a equipe, com a qual Ramon tem contrato até 2004, estaria vedando-lhe o direito ao trabalho, já que, conforme declarações de Levir Culpi e dos dirigentes, ele não será mais aproveitado no elenco. O departamento jurídico do Atlético informou, na tarde desta terça-feira, que ainda não havia sido notificada oficialmente sobre a ação. A posição do clube, no entanto, é de que Ramon não conseguirá provar sua interpretação na Justiça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.