Paulo Fernandes/Vasco.com.br
Paulo Fernandes/Vasco.com.br

Ramon prevê disputa com Henrique por vaga no Vasco, mas exalta concorrente

Laterais brigam por um lugar entre os onze titulares do cruzmaltino

Estadão Conteúdo

19 Junho 2018 | 16h18

Recém-recuperado de uma grave lesão no joelho, que o afastou do futebol por mais de seis meses, o lateral Ramon agora quer voltar à titularidade no Vasco. Ele projeta uma disputa intensa com o atual dono da posição, Henrique, quando o futebol brasileiro retomar seu calendário após a disputa da Copa do Mundo, mas não esconde a admiração pelo concorrente.

+ Jorginho comemora pausa e projeta 'boa colocação' para o Vasco no Brasileirão

"Vejo muitas semelhanças entre eu e o Henrique. Costumo dizer que ele é, hoje, o que eu era quando tinha 24 anos, pela maneira de jogar, pelo jeito de ser. Independente da sermos da mesma posição, vou procurar sempre ajudá-lo, pois é um garoto que admiro e que possui um potencial muito grande", declarou em entrevista ao site do clube.

O próprio Henrique já manifestou que tem em Ramon um de seus exemplos. No ano passado, os dois se tornaram amigos e o veterano de 30 anos admitiu a gratidão ao amigo pela ajuda no momento de sua grave lesão, em outubro do ano passado.

"Fico feliz por ser uma referência para ele, até porque busco e sempre busquei ser um exemplo para todos que estão ao meu redor. Quando sofri aquela lesão no ano passado, no jogo contra o Flamengo, ele foi o primeiro a chegar até mim. Choramos e oramos juntos para que aquele sofrimento passasse logo. Graças a Deus, tudo foi superado e hoje estamos juntos de novo", lembrou.

Outra memória citada por Ramon foi a de Philippe Coutinho ainda jovem, ganhando espaço no elenco profissional do Vasco, quando atuaram juntos em 2009 e 2010. Agora, o lateral assiste ao ex-companheiro brilhando na Copa do Mundo, como na estreia do Brasil, quando marcou o único gol da seleção no empate por 1 a 1 com a Suíça.

"O Coutinho sempre foi um cara muito diferente. Ele já demonstrava uma qualidade e um entendimento tático absurdo com apenas 16 anos. É claro que ele oscilava um pouco durante as partidas, o que era normal em virtude da idade, mas naquele momento todo mundo sabia e ninguém duvidada que ele se tornaria um grande jogador e chegaria na seleção brasileira. Fiquei feliz com o gol marcado por ele na estreia."

 

 

Mais conteúdo sobre:
futebolVascoRamon

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.