Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Real bate Barcelona e conquista Supercopa da Espanha

Cada um dos dois grandes da Espanha já havia feito três jogos na temporada. O Real Madrid ainda não vencera. O Barcelona só colecionava triunfos. Mas, nesta quarta-feira, tudo mudou. Na segunda partida da final da Supercopa da Espanha, em Madri, o time da casa aproveitou-se das falhas da defesa catalã, venceu por 2 a 1 e conquistou o primeiro título da temporada, exatamente sobre o maior rival.

AE, Agência Estado

29 de agosto de 2012 | 19h38

O jogo ajudou a mudar o conceito sobre as duas maiores equipes do futebol espanhol. O Barcelona, sempre tão preciso, viu sua zaga falhar feio três vezes. Duas se transformaram em gols; outra, em expulsão de Adriano. Tito Vilanova até conseguiu recompor o time, que depois jogou de igual para igual.

Já o Real Madrid, que ainda não havia convencido, agora tranquiliza a sua torcida com um título que não vinha desde 2008. Esta é a nona conquista na competição, contra dez do Barcelona, que era tricampeão consecutivo.

O primeiro gol do jogo entra na conta de Mascherano. Pepe deu um chutão desde a zaga madrilenha, o argentino tentou cortar e chutou o ar. A bola sobrou livre para Higuaín, que saiu na cara de Valdés e tocou no canto para abrir o placar aos 10 minutos de partida.

Sem Daniel Alves, com Adriano na lateral direita e Jordi Alba na esquerda, o Barcelona estava perdido. Tanto que levou o segundo gol em mais uma falha. Piqué ficou olhando a bola e deixou Cristiano Ronaldo dominar, driblá-lo com um toque de calcanhar e, mesmo errando o domínio depois, chutar rasteiro, no meio do gol. Valdés pulou errado e aceitou.

A coisa só não ficou pior aos 22 minutos porque o árbitro marcou falta polêmica e anulou o gol de Pepe, de cabeça, após cobrança de falta da esquerda. Mas aí Adriano foi quem falhou. Ele perdeu para Cristiano Ronaldo na corrida e teve que derrubar o português, que invadiria a área sozinho. Com justiça, recebeu o vermelho.

Só Messi mesmo é que poderia fazer o Barcelona respirar. Aos 44 minutos, o argentino bateu falta com perfeição, tirando da barreira e do goleiro Casillas, para fazer 2 a 1 e dar uma esperança para o time catalão.

O segundo tempo foi mais equilibrado, com boas chances para os dois lados. Aos 16, Pedro recebeu longo lançamento, fez domínio perfeito, chutou bem, mas Casillas fez grande defesa. Valdés também trabalhou, pegando um chute de Khedira.

Mais perto do fim, Jordi Alba recebeu em profundidade, driblou Casillas, mas foi desarmado. O Real Madrid respondeu com Higuaín, que perdeu chance incrível cara a cara com Valdés. Permitiu a recuperação de Mascherano e a batida, travada, acabou indo na trave.

Nos acréscimos, muita emoção, com o Barcelona perdendo duas boas chances. Montoya, que entrou no time para recompor a defesa quando Adriano saiu, ficou cara a cara com Casillas, mas bateu em cima do goleiro. Já no último lance, bom passe de Song para Messi, que jogou para a perna esquerda e bateu tirando tinta da trave.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.