Oli Scarff/AFP - 14/12/2014
Oli Scarff/AFP - 14/12/2014

Real diz que fez 'o que podia' para contratar De Gea e culpa United

Goleiro iria substituir Casillas, negociado com o Porto, de Portugal

Estadão Conteúdo

01 de setembro de 2015 | 10h21

Sem conseguir sacramentar a contratação do goleiro David de Gea a tempo, o Real Madrid veio a público nesta terça-feira para se defender das críticas da torcida e da imprensa espanhola. Em nota oficial, o clube espanhol garantiu ter feito "tudo que podia" para contratar o goleiro até os minutos finais da janela de transferências e culpou o Manchester United pelo insucesso na transação.

O acerto entre os dois clubes era dado como certo no início desta segunda, última dia da janela na Europa - com exceção da Inglaterra, onde o período de contratações se encerra nesta terça. Há semanas o Real vinha tentando contratar De Gea para substituir Casillas, negociado com o Porto, de Portugal. Era sua maior aposta para esta janela.

Ao longo do dia, os principais veículos de comunicação da Espanha praticamente confirmavam a negociação, que envolvia ainda a ida do costa-riquenho Keylor Navas para o clube inglês. Além de ceder o goleiro, o Real desembolsaria 15 milhões de euros (cerca de R$ 60 milhões) por De Gea.

As negociações, contudo, adentraram a madrugada, de acordo com o clube espanhol. Os detalhes já estavam todos definidos. O acerto só não foi concluído porque a inscrição nos sistemas da Fifa e do futebol espanhol estourou o limite do horário permitido.

"O Real Madrid fez tudo o que podia, durante todo momento, para ir até o fim nestas duas transferências", defendeu-se o clube, atacado pela imprensa espanhola nesta terça - os jornais Sport e Marca estamparam a palavra "ridículo" em suas capas.

O Real evitou criticar o Manchester United ao fim desta negociação frustrada, mas indicou que o clube inglês seria o responsável pelo insucesso da negociação. "O Manchester United não abriu a negociação pelos direitos de David de Gea até a manhã de ontem", informou o clube espanhol. "Apesar das dificuldades inerentes a uma operação destas características no último dia de inscrições, o Real Madrid aceitou iniciar as conversas."

De acordo com o Real, a negociação avançou até a noite porque o Manchester United levou "oito horas" para devolver os documentos enviados pelos espanhóis, com os detalhes da negociação envolvendo De Gea e Navas.

"O Manchester United enviou seus comentários aos contratos oito horas mais tarde, às 21h43, incluindo modificações. Todas elas foram aceitas de imediato pelo Real Madrid, com a intenção de poder fazer a inscrição a tempo tanto no TMS [sistema de transferências de jogadores da Fifa] como na Liga de Futebol Profissional."

Na nota, o Real cita quase hora a hora as decisões tomadas por ambos os clubes. Segundo o clube, os últimos documentos foram enviados ao Manchester às 23h32, no horário espanhol (que está uma hora à frente do inglês). E os ingleses teriam devolvido às 23h53. O clube inglês, então, teria iniciado a inscrição no sistema da Fifa à meia-noite em ponto. Dois minutos depois, os espanhóis receberiam a documentação completa. "Tentamos acionar o TMS, mas este já se encontrava fechado", alegou o Real Madrid.

O clube disse ainda que o sistema liberou a inscrição às 00h26 porque, na Inglaterra, a janela ainda estaria liberada até esta terça. Mas o Real recuou por temer alguma infração nas regras das transferências, o que poderia render punições futuras junto à Fifa. Por consequência, o clube de Madri teve frustrada a sua busca pelo goleiro do Manchester. O clube inglês ainda não se manifestou sobre as declarações do Real.

O imbróglio deixa De Gea em situação inusitada. Com contrato praticamente acertado com o Real, ele já se despedia do Manchester quando a negociação foi frustrada. Tanto que sequer foi relacionado pelo técnico Louis van Gaal para as primeiras rodadas do Inglês, uma vez que estava com a cabeça na Espanha. Agora, deve ser reintegrado ao grupo do Manchester.

Natural de Madri, o goleiro começou a carreira no Atlético, onde começou a treinar aos 10 anos. Ele foi vendido ao Manchester United em 2011, por 19 milhões de libras, e tem só mais um ano de contrato. Por isso, a venda agora seria interessante para os ingleses, que ainda ficariam com Navas. O espanhol permanece em Old Trafford, pelo menos até segunda ordem.

Já o Real Madrid vai ter que se virar com o que tem. Nesta janela, liberou Casillas para o Porto e contratou Kiko Casilla junto ao Espanyol. Sem De Gea, só pode contar com Casilla e Navas, goleiros de pouca expressão para um elenco tão estelar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.