Real e Barça pagam maiores salários do futebol mundial

Real Madrid e Barcelona são as equipes de futebol que pagam os maiores salários do mundo, e estão atrás apenas do time de beisebol norte-americano New York Yankees, no esporte em geral, segundo um estudo que será publicado esta semana.

REUTERS

29 de março de 2010 | 13h02

A pesquisa, que calcula os salários dos atletas em libras esterlinas, estima que um jogador médio do Real Madrid ganha 4,23 milhões de libras por ano (aproximadamente 11,4 milhões de reais). O Barcelona paga em média 4,06 milhões de libras ao ano (em torno de 10,98 milhões de reais/ano).

Os jogadores do Yankees, no entanto, recebem 4,67 milhões de libras por temporada (12,63 milhões de reais/temporada).

O terceiro clube de futebol com os salários mais altos é o Chelsea, seguido por seis equipes da NBA, segundo o estudo do site www.sportingintelligence.com.

Entre os times da NBA aparecem os Lakers - em 6.º lugar no ranking geral - que paga 3,4 milhões de libras ao ano (cerca de 9,1 milhões de reais/ano).

Os salários considerados são dos atletas da equipe principal, sem levar em conta os contratos de patrocínio. Os valores do Yankees têm como base a temporada 2009, enquanto os dos clubes de futebol têm como base o ano de 2008, e os seis times da NBA a temporada 2008-09.

Nick Harris, editor do site e autor do estudo, disse à Reuters que a conta de todos os salários do Yankees superava de longe a soma dos salários das outras equipes da liga norte-americana de beisebol.

Por sua vez, as equipes da NBA têm salários tão altos porque seus elencos são pequenos.

"São apenas 12 ou 13 jogadores numa equipe da NBA", explicou. "Uma equipe de futebol americano da NFL tem 60 jogadores na primeira equipe", acrescentou.

"Os resultados serão uma surpresa para todo mundo que acha que a Premier League (inglesa) tem os melhores salários do mundo esportivo, porque está muito longe disso", acrescentou Harris.

(Reportagem de John Mehaffey)

Tudo o que sabemos sobre:
futebolReal MadridBarcelonasalários

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.