Real frustra, mas não perde a pose

A fase não é aquela que dirigentes, torcedores e jogadores do Real Madrid imaginavam. O time milionário e repleto de estrelas não vence há cinco jogos, o esquema não deslancha e a enfermaria tem sido quase tão freqüentada quanto o campo de treino. Apesar disso, não perde a pose. Ninguém fala em crise ? no máximo, em ?tensão? ?, o treinador Vicente del Bosque não acena com mudanças de ordem tática e ainda se recorre ao fato de que a classificação para a segunda fase da Copa dos Campeões veio por antecipação de uma rodada. O dia seguinte à derrota por 1 a 0 para a Roma, no Estádio Santiago Bernabéu, alterou pouco a rotina dos ?madridistas?. Na reapresentação do grupo, nesta quinta-feira à tarde, na Ciudad Deportiva, a impressão era de que tudo ia bem. A diferença esteve por conta do número de atletas que procuraram o departamento médico e pela visita do diretor Jorge Valdano ao centro de treinamentos. Ronaldo, Raúl, Zidane, Figo, McManaman e Makelele trocaram o treino por consultas. Todos se ressentem de algum tipo de dor, o que pode obrigar Del Bosque a alterar a equipe para o jogo deste sábado com o Deportivo, em La Coruña, pelo Campeonato Espanhol. Antes de serem atendidos, os contundidos ouviram com atenção o que Valdano tinha a lhes dizer. O dirigente garantiu que não pediu nada de extraordinário, a não ser aplicação e calma. O capitão Hierro entendeu o recado e tratou de dissipar ares de crise. ?Por três empates e duas derrotas, deixamos de ser um time de sonho para nos transformarmos em alvo de críticas??, questionou. ?Chegou o momento de demonstrarmos personalidade. E isso se consegue com trabalho.? Del Bosque se recusa a falar em descontrole e não aceita críticas ao sistema de treinamentos. ?Podemos não ser um modelo de treinos?, alegou, ao reconhecer que a carga horária não é das mais pesadas. ?Mas treinar mais não significa treinar melhor?, avisou, ao mesmo tempo em que reafirmou confiança no time. A imprensa não encara dessa forma. As e Marca, os principais jornais especializados da Espanha, carregaram nas críticas, em sua edição desta quinta-feira. Ambos constatam que a crise do Real se tornou mais aguda com a chegada de Ronaldo. A equipe tem muitos astros, que ainda não rendem o que se espera, e ao mesmo tempo se enfraqueceu na defesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.