Real já começa a faturar na Ásia

O Real Madrid começa a sentir, na Ásia, a força e o prestígio de seu elenco de estrelas. Principalmente de David Beckham. O campeão espanhol chegou nesta sexta-feira a Kumming, onde fará a parte inicial de sua pré-temporada, e o meia inglês foi o centro de atenções. O mais novo reforço chamou tanta atenção, que deixou em segundo plano nomes tão famosos como os de Ronaldo, Figo, Zidane e Raúl.O desembarque no aeroporto local foi uma festa. Havia pelo menos 1.000 torcedores à espera dos "galácticos", como a imprensa da Espanha chama o grupo de profissionais do Real. Alguns fãs carregavam faixas de "Bienvenidos" (Bem-vindos) e vários mostravam cartazes em que se lia "I love you Beckham" (Eu te amo Beckham). Adolescentes ficavam histéricas, na tentativa de chegar perto do inglês.A diretoria do Real esfrega as mãos. A expectativa é a de faturar em torno de US$ 10 milhões com apresentações em Pequim, Tóquio, Hong-Kong e Bangcoc. Além da venda de camisas, de preferência a 23 de Beckham. Mas são bem cotadas também a 5 de Zidane, a 11 de Ronaldo, a 7 de Raúl e, menos, a 10 de Figo.Tudo gira em torno de cifras. O campo de treinos e o hotel em que o Real Madrid está hospedado foram bancados por uma grande indústria de cigarros da China. A empresa investiu US$ 972 mil para recepcionar os espanhóis, com direito a parte na arrecadação do jogo contra um combinado chinês e também em peças de publicidade. A avidez por dinheiro é tamanha que cada um dos 350 jornalistas credenciados para seguir o Real de perto deve pagar diariamente US$ 73 para entrar no local.Há também a parte esportiva. Os jogadores fizeram o primeiro treino com bola, sob o comando do português Carlos Queiróz, escolhido para substituir Vicente del Bosque. A atração foi Beckham. O inglês esteve tímido entre seus novos companheiros, e jogou no time em que não estava o português Figo, com quem teoricamente alternará jogadas pelo lado direito do ataque.

Agencia Estado,

25 de julho de 2003 | 18h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.