Real Madrid celebra reação, mas não encerra polêmicas

O Real Madrid mostrou poder de reação e deu um passo para superar o começo ruim de temporada ao derrotar o Manchester City por 3 a 2, terça-feira, em casa, na sua estreia no Grupo D da Liga dos Campeões da Europa, mas mesmo assim não conseguiu superar todas as polêmicas que surgiram nas últimas semanas.

AE-AP, Agência Estado

19 de setembro de 2012 | 12h18

O gol da vitória de Cristiano Ronaldo, aos 45 minutos do segundo tempo, selou um triunfo espetacular do Real Madrid, que estava perdendo por 2 a 1 quando faltavam apenas cinco minutos para o encerramento do duelo. E o resultado expressivo aconteceu depois da derrota por 1 a 0 para o Sevilla, sábado, quando José Mourinho criticou o comportamento dos jogadores e cobrou que o elenco provasse o seu valor contra os campeões ingleses.

O resultado pode ser encarado como uma resposta à altura ao pedido do treinador e deve restaurar a confiança no clube, que busca o seu 10º título europeu. "É a primeira vez que os meus jogadores vão para casa cansados depois de um jogo. No futebol, você deve ir para casa com a sensação de cansaço depois de cada jogo", disse Mourinho. "Isso é o que Real Madrid defende e não é uma filosofia barata. Você tem que estar pronto para morrer no campo".

Diante do Manchester City, o Real Madrid desperdiçou várias chances de gol e viu o clube inglês abrir o placar aos 24 minutos do segundo tempo com Dzeko. O time espanhol, porém, reagiu, mesmo precisando empatar o duelo duas vezes, e definiu a vitória com Cristiano Ronaldo.

A partida, aliás, foi a primeira do português no Estádio Santiago Bernabéu desde que ele se declarou "triste". Mesmo comemorando a vitória e a sua participação decisiva, o português indicou que não alterou seu humor. "Como eu estou, isso não importa", disse. "Eu comemoro tudo o que precisa comemorar. O que aconteceu no passado não importa, o passado é o passado".

Com oito pontos de desvantagem para o Barcelona, Mourinho sacou Sérgio Ramos do time para o duelo com o Manchester City. O treinador, porém, negou ter problemas com o defensor. "Foi absolutamente uma decisão técnica, nada pessoal", disse Mourinho. "Eu nunca tive qualquer problema disciplinar com o Sérgio. Nunca. Zero. Ele é um grande jogador, um grande profissional. Eu quero deixar isso bem claro".

Mourinho escalou Raphael Varane, de apenas 19 anos, na zaga ao lado de Pepe, deixando Sérgio Ramos de fora. Este foi o primeiro jogo do francês na temporada. E ele admitiu surpresa com a escalação. "Venho me preparando desde domingo. O treinador falou comigo e me disse que eu tinha sua confiança", disse. "Foi uma surpresa porque é um dos jogos mais importantes da temporada".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolReal Madrid

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.