Kote Rodrigo/EFE
Kote Rodrigo/EFE

Real Madrid critica Joseph Blatter por ironia sobre Cristiano Ronaldo

Clube madrilenho cobrou explicações do presidente da FIFA

AE-AP, Agência Estado

29 de outubro de 2013 | 13h36

MADRI - O Real Madrid cobrou o presidente da Fifa, Joseph Blatter, para que peça desculpas a Cristiano Ronaldo por uma comentário irônico feito sobre o jogador português. Blatter disse recentemente em uma audiência na Universidade de Oxford que Ronaldo "é como um comandante no campo de jogo" e realizou outros comentários sobre a vaidade do português que levaram os alunos aos risos. O técnico do Real Madrid, Carlo Ancelotti, disse nesta terça-feira que o presidente do clube, Florentino Perez, enviou uma carta a Blatter pedindo-lhe para "corrigir o que considero uma falta de respeito com um jogador sério e profissional". Blatter disse que preferia o atacante Lionel Messi, que foi eleito o melhor jogador do mundo pela Fifa nos últimos quatro anos, a Ronaldo, que ganhou o prêmio em 2008 e terminou em segundo na votação, atrás do argentino, em 2009, 2011 e 2012.

"Messi é um bom menino, que todo pai e toda mãe gostaria de ter em casa", disse Blatter. "Ele é um homem bom, um bom menino. Isso é o que faz com que ele seja tão popular, e, naturalmente, ele sempre vai ter muitos votos, porque ele joga bem e marca gols". Então, ao comparar Messi e Ronaldo, Blatter fez uma piada sobre o cabelo do português. "Eles não têm a mesma atitude e isso é o que dá vida ao futebol. Um deles tem muito mais despesas com o cabeleireiro do que o outro, mas isso não importa", disse Blatter. Ancelotti, então, saiu em defesa de Ronaldo nesta terça-feira. "Eu concordo completamente com o presidente (Florentino Perez)", disse o francês. "Eu não tenho conversado com Ronaldo sobre isso. Eu acho que ele mostra todos os dias e em todos os jogos que ele é um jogador sério, profissional e que respeita a todos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.