Mário Cruz/EFE
Mário Cruz/EFE

Real Madrid e Atlético disputam o título mais importante da Europa

Rivais de Madri medem forças na final da Liga dos Campeões, no Estádio da Luz, em Lisboa

O Estado de S. Paulo

24 de maio de 2014 | 07h00

LISBOA - O mais importante dérbi madrilenho da história será disputado neste sábado no Estádio da Luz. Rivais desde 1903, Real Madrid e Atlético de Madrid se enfrentam numa partida que vale o título europeu. Para o Real, maior vencedor da Liga dos Campeões, seria a décima taça – a primeira desde 2002. Para o Atlético, seria a primeira.

Depois de cair três anos seguidos nas semifinais sob o comando de José Mourinho, o Real superou essa barreira dirigido por Carlo Ancelotti. O técnico italiano é elogiado por ter acabado com as turbulências no vestiário e também por ter transformado a equipe numa máquina de contra-atacar. Ter Cristiano Ronaldo, Bale e Di María correndo em direção ao seu goleiro é uma das piores experiências que uma equipe pode ter.

O Bayern de Munique de Pep Guardiola que o diga, porque foi aniquilado nas semifinais com derrotas por 1 a 0 e 4 a 0 (na Alemanha) que poderiam ter sido mais elásticas, tamanho foi o número de chances que o Real Madrid criou em contragolpes. "Meu sonho é que o time repita a partida que fez em Munique contra o Bayern", disse Ancelotti, ciente de que foi a melhor exibição da temporada.

No lado do Atlético a mão do técnico também é muito evidente. No cargo desde novembro de 2011, o argentino Diego Simeone formou um time lutador e corajoso, que não se entrega nunca. Um exemplo disso foi a maneira como a equipe se sagrou campeã espanhola sábado passado.

Jogando pelo empate diante do Barcelona no Camp Nou lotado por mais de 95 mil pessoas, o Atlético perdeu dois titulares por contusão nos primeiros 20 minutos (Diego Costa e Arda Turan) e foi para o intervalo perdendo por 1 a 0, placar que dava o título ao Barça. Mas voltou como uma fúria para o segundo tempo, empatou logo aos quatro minutos e teve chances para virar. "Simeone é um deus para nós. Se ele pedir para nos jogarmos de uma ponte, nós o obedeceremos", disse o meio-campista português Tiago.

Com o argentino no comando, o Atlético ganhou as três finais que disputou: Liga Europa e Supercopa Europeia em 2012 e Copa do Rei em 2013. As duas equipes têm problemas. O Real Madrid não contará com o volante Xabi Alonso por suspensão, e tem dois jogadores “baleados”, sem estar em suas melhores condições: o zagueiro Pepe (que provavelmente ficará no banco e dará lugar a Varane) e o atacante Benzema. No Atlético, a dúvida sobre a presença de Diego Costa e Arda Turan vai perdurar até o momento em que as escalações serão divulgadas, 45 minutos antes do início da partida. Mas o atacante deve ficar no banco.

DUELO

Estarão frente a frente o melhor ataque da competição e a melhor defesa. O Real marcou 37 gols em 12 partidas, e tem como destaque Cristiano Ronaldo. O português balançou a rede 16 vezes e se tornou recordista de gols em uma edição do torneio. O Atlético sofreu apenas seis gols, e tem no goleiro belga Courtois, de 1,99m, uma garantida de segurança.

A marcação forte do Atlético, que fecha como poucos os espaços em seu campo, deverá obrigar o Real a mudar de estratégia. Como será difícil contra-atacar, o time precisará tomar a iniciativa e tentar se impor no campo do adversário. "Jogaremos com humildade e dedicação. Serão 90 minutos contra o melhor time do mundo", disse Simeone.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.