Real Madrid tenta acalmar Manchester sobre Cristiano Ronaldo

Time merengue deixou claro seu interesse pelo português, mas não quer mau relacionamento com um 'amigo'

MIKE COLLETT, REUTERS

27 de maio de 2008 | 20h12

O Real Madrid tentou acalmar o Manchester United nesta terça-feira depois que o atual campeão europeu ameaçou levar o clube espanhol à Fifa pelo interesse no jogador Cristiano Ronaldo. O Real Madrid deixou claro seu interesse pelo atacante português em diversas declarações públicas nas últimas semanas, reconhecendo também que o atleta de 23 anos pertence ao Manchester United. "Nós não fizemos nada e não iremos fazer nada que vá contra a vontade de um clube que temos como amigo, como o Manchester United. Temos uma relação magnífica com eles", disse o presidente do Real, Ramon Calderon, a jornalistas. "Não vamos iniciar um conflito. Se um clube não quer vender um jogador, por que iríamos insistir? É um problema entre o jogador e seu time", concluiu. Os atuais campeões ingleses estão determinados a segurar Cristiano Ronaldo, que marcou 42 gols pelo Manchester na temporada e foi eleito pelo segundo ano consecutivo o melhor jogador da Inglaterra. Nesta terça-feira, a equipe inglesa divulgou em seu site ocomunicado "Manchester United emite aviso ao Real". Na declaração, o clube inglês afirma ter assistido com "crescente irritação" os comentários atribuídos ao Real Madrid, além de lembrar que o jogador tem um contrato a ser cumprido e não está à venda. Depois da final da Liga dos Campeões na semana passada, o técnico do Manchester United, Alex Ferguson, criticou o Real Madrid em uma entrevista coletiva. Nos últimos anos, o Manchester vendeu David Beckham, Ruud van Nistelrooy e Gabriel Heinze ao Real Madrid, mas Ferguson disse na semana passada que o caso de Cristiano Ronaldo é diferente. Perguntado sobre seu futuro depois da final, Cristiano Ronaldo disse a jornalistas: "Eu não prometo nada. Eu não prometo nada a minha mãe, e não prometo nada a torcedores".

Tudo o que sabemos sobre:
FUTCRONALDOREALMADRID

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.