Arte/Estadão
Arte/Estadão

Real Madrid transforma Cristiano Ronaldo em máquina de fazer gols

Atacante chega à marca dos 500 gols na carreira em vitória fora

O Estado de S. Paulo

30 de setembro de 2015 | 17h48

Cristiano Ronaldo chegou  à marca de 501 gols na carreira. Ele já tinha números respeitáveis como goleador no Manchester United (118 em 292 jogos), mas foi com a camisa do Real Madrid que ele se transformou numa máquina de fazer gols. Já são 323 em 308 partidas, com a impressionante média de mais de um por partida. Com os dois que fez nesta quarta-feira contra o Malmoe, na vitória por 2 a 0 pela Liga dos Campeões, ele se igualou a  Raúl como maior artilheiro da história do clube. E o detalhe é que Raúl disputou 741 jogos, mais do que o dobro do atacante português.

O português já foi artilheiro da Liga dos Campeões quatro vezes, com 8 gols em 2007/2008, 12 em 2012/2013, 17 em 2013/2014 (recorde de uma edição do torneio) e 10 em 2014/2015. No Campeonato Espanhol foi o goleador três vezes: fez 40 gols na temporada 2010/2011, 31 na 2013/2014 e 48 na 2014/2015. E liderou os goleadores do Campeonato Inglês com os 31 que marcou em 2007/2008.

Em números absolutos o português está à frente de Messi, seu grande rival na disputa pela artilharia das competições. Mas a média do argentino é superior. Cristiano Ronaldo atingiu a marca de 500 gols aos 30 anos e oito meses de idade, e com 753 partidas no currículo. Sua média é de 0,66 por jogo. Messi, que fez 28 gols em junho, tem 491 gols na carreira em 650 jogos disputados (média de 0,76).

Neymar, que é mais novo do que os dois (fez 23 anos em fevereiro), tem média de 0,63 gol por jogo na carreira (contando jogos pelo Santos, Barcelona, seleção principal e seleções de base). Ele marcou 257 vezes em 404 partidas.

Os três jogadores mais badalados de hoje têm muita intimidade com o gol. Mas nenhum deles é páreo para o maior goleador - e maior jogador - da história. Pelé marcou 1281 gols em 1365 jogos, o que dá a média de 0,94 por partida. Chegou aos 500 gols quando tinha 21 anos, e fez o milésimo um mês depois de completar 29.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.