Loic Venance/AFP
Loic Venance/AFP

Real Madrid vai pagar R$ 1,1 bilhão ao PSG por Mbappé; veja os jogadores mais caros da história

Clube francês aceita receber 180 milhões de euros pelo atacante de 22 anos. Transação deve ser a segunda mais valiosa do futebol

Rodrigo Sampaio, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2021 | 15h00

A poucos dias do fim da janela de transferências do futebol europeu, o mercado continua quente no Velho Continente. Após a surpreendente saída de Messi do Barcelona para o Paris Saint-Germain e da ida de Cristiano Ronaldo para o Manchester United, o clube francês protagoniza outra negociação de impacto ao vender Kylian Mbappé para o Real Madrid. A equipe espanhola fez oferta de 160 milhões de euros (cerca de R$ 988 milhões) pelo atacante de 22 anos, mas os parisienses recusaram e agora vão aceitar 180 milhões de euros (R$ 1,1 bilhão na cotação atual) para deixar o craque da seleção da França partir. 

Protagonista da seleção francesa na conquista da Copa do Mundo em 2018, marcando um dos gols na vitória por 4 a 2 sobre a Croácia na decisão do torneio na Rússia, Mbappé é o jovem mais badalado do futebol na atualidade. Apesar do PSG ser um dos poucos clubes no planeta com capacidade de arcar com os custos de um atleta da sua categoria, o jogador tem o sonho de sair da sombra de Neymar e ser o centro de um projeto esportivo. A chegada de Messi teria incomodado o francês, que agora dividiria a atenção com os dois astros, além de Di María, peça-chave no time de Mauricio Pochettino. 

O diretor de futebol do PSG, o ex-jogador brasileiro Leonardo, confirmou a oferta do Real Madrd por Mbappé, e afirmou que o clube "não vai segurar" o atacante. O jogador disse à direção seu desejo de sair, não aceitando, inclusive, as duas últimas tentativas de renovação contratual. No entanto, o presidente do clube espanhol, Florentino Pérez, comentou que a proposta pelo jogador foi "grosseiramente recusada" inicialmente. 

Com contrato se encerrado em junho de 2022, o clube francês corria o risco de perder o atleta de graça caso não o vendesse nesta janela de transferência. Isso porque Mbappé ficaria livre para assinar um pré-contrato com qualquer equipe em janeiro do ano que vem. Enquanto o PSG pedia mais dinheiro para selar o acordo, Florentino Pérez afirmava que o Real Madrid "não irá subir a oferta". Os clubes têm até terça-feira, quando encerra o período de negociação, para encerrar a queda-de-braço e chegar em um acordo, previamente anunciado nesta quinta-feira. 

Mbappé desembarcou em Paris em agosto de 2017 em uma compra junto ao Monaco por 180 milhões de euros (cerca de R$ 1,1 bilhão), a segunda transferência mais cara da história. Caso a oferta do Real Madrid seja realmente aceita (nada está assinado ainda), o jogador também ocuparia o terceiro lugar entre as negociações mais valiosas do futebol. A posição atualmente pertence ao brasileiro Philippe Coutinho, contratado pelo Barcelona por 145 milhões de euros — aquisição considerada irresponsável financeiramente pela atual diretoria do clube catalão. O posto mais alto é de Neymar. O camisa 10 do Brasil bateu o recorde após o PSG tirá-lo do Barça por incríveis 222 milhões de euros (R$ 821 milhões na época)

As últimas duas posições do top 5 têm a participação do Atlético de Madrid. Em resposta à venda do francês e ídolo da torcida Antoine Griezmann, em 2019, ao Barcelona por 120 milhões de euros, a quinta mais cara de todos os tempos, o clube colchonero desembolsou 126 milhões no mesmo ano para contratar a joia portuguesa João Félix, do Benfica. Ambos ainda não atenderam as expectativas e vêm de temporadas irregulares em suas equipes.

A janela de verão deste ano também proporcionou outras duas transações a ficarem entre as mais caras da história. Xodó da seleção inglesa na Eurocopa e sonho de consumo de Pep Guardiola, Jack Grealish deixou o Aston Villa rumo ao Manchester City por 117 milhões de euros, tornando-se o sexto mais valioso. Por dois milhões a menos, mas nem por isso barato, o Chelsea repatriou Lukaku após o belga ser o principal destaque na conquista do Campeonato Italiano pela Internazionale de Milão.

Com quatro jogadores no top 10, a atual campeã mundial França tem outros dois nomes entre os mais caros, ambos por 105 milhões de euros. Vivendo momentos distintos, o atacante Ousmane Dembelé foi contratado em 2017 pelo Barcelona, onde é contestado pela torcida e tido como outro grande erro da antiga gestão que deixou as finanças do clube na lama. Um ano antes, Paul Pogba deixou a Juventus para retornar ao Manchester United, equipe na qual se profissionalizou e atualmente é um dos que conseguem se sobressair nas campanhas irregulares do time. 

O Real Madrid domina as negociações que fecham o top 10. Em 2019, os espanhóis pagaram 100 milhões de euros ao Chelsea por Eden Hazard, principal jogador da equipe londrina nas temporadas anteriores e destaque da Bélgica na Copa da Rússia. Um ano antes, o time madrilenho vendeu Cristiano Ronaldo para a Juventus por um valor próximo. Três anos depois, o atacante cinco vezes melhor do mundo pretende deixar Turim ainda nesta janela, e o Manchester City é um dos caminhos mais prováveis

Top 10 jogadores mais caros da história

1º - Neymar (222 milhões de euros, do Barcelona para o Paris Saint-Germain)

2º - Kylian Mbappé (180 milhões de euros, do Monaco para o Paris Saint-Germain)

3º - Philippe Coutinho (145 milhões de euros, do Liverpool para o Barcelona)

4º - João Félix (126 milhões de euros, do Benfica para o Atlético de Madrid)

5º - Antoine Griezmann (120 milhões de euros, do Atlético de Madrid para o Barcelona)

6º - Jack Grealish (117 milhões de euros, do Aston Villa para o Manchester City)

7º - Romelu Lukaku (115 milhões de euros, da Internazionale de Milão para o Chelsea)

8º - Ousmane Dembélé (105 milhões de euros, do Borussia Dortmund para o Barcelona)

9º - Paul Pogba (105 milhões de euros, da Juventus para o Manchester United)

10º - Eden Hazard (100 milhões de euros, do Chelsea para o Real Madrid)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.