Real recorre contra punição por racismo

O Real Madrid tenta escapar de uma punição pelo comportamento racista de uma parte de seus torcedores contra os jogadores brasileiros Juan e Roque Júnior, do Bayer Leverkusen. Os incidentes ocorreram no dia 23 de novembro, no estádio Santiago Bernabéu, durante a partida entre o time do Real Madrid e os alemães, válido pela Copa dos Campeões. A Uefa (União Européia de Futebol) decidiu multar os espanhóis em quase US$ 13 mil, mas hoje a direção do clube entrou com um recurso, alegando que o problema veio de um grupo isolado de torcedores e que a prática não é comum entre os fãs do Real Madrid. Os incidentes não foram incluídos nos relatórios preparados pelo árbitro da partida, mas queixas dos próprios jogadores brasileiros levaram a Uefa a abrir uma ivestigação. Segundo a entidade, seu órgão disciplinar constatou que os torcedores "entoaram gritos racistas contra os jogadores negros da equipe alemã". "Alguns torcedores ainda fizeram gestos nazistas", concluiu a Uefa. Lazio - O Lazio também apresentou hoje um recurso para impedir que seu estádio seja banido também por causa do comportamento racista de seus torcedores. A Uefa havia punido o clube italiano e ordenou que o time realizasse uma partida sem a presença de torcedores. Com os recursos, uma decisão será anunciada apenas em janeiro de 2005.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.