Rebaixado, Goiás mantém esperança na Sul-Americana

Para salvar ano, equipe promete empenho diante do Palmeiras, nesta quarta, no Pacaembu

AE, Agência Estado

22 de novembro de 2010 | 10h04

A goleada de 4 a 1 sofrida diante do Santos, no último domingo, no Serra Dourada, decretou o rebaixamento do Goiás no Campeonato Brasileiro, duas rodadas antes do término da competição. Apesar do fato, o time ainda tem um motivo para se empenhar nesta semana, já que enfrenta o Palmeiras, na próxima quarta-feira, no Pacaembu, pelo duelo de volta da semifinal da Copa Sul-Americana.

Veja também:

linkNeymar faz três gols, Santos ganha por 4 a 1 e rebaixa o Goiás à Série B

SÉRIE A - tabelaClassificação | listaCalendário/Resultados

Após a derrota diante do Santos, o técnico Artur Neto preferiu projetar o duelo desta quarta a ficar lamentando o rebaixamento no Brasileirão. "Não adianta mais falar de Campeonato Brasileiro, pois ''a vaca já foi embora''. Temos de ser muito claros. Ainda existe uma possibilidade de o Goiás terminar o ano melhor do que foi o ano. Só temos ''uma bola'', que é o jogo do Palmeiras. Não existe mais nada neste ano para salvar. Não tem que ficar agora falando do jogo de hoje (domingo). Temos que ir pra casa, botar a cabeça no travesseiro, descansar o corpo e pensar no jogo de quarta-feira", ressaltou o treinador, em entrevista coletiva após o duelo.

Artur Neto, porém, admitiu que o favoritismo é do Palmeiras na quarta-feira, também pelo fato de que a equipe paulista poupou seus titulares na derrota de 2 a 0 para o Atlético-MG, no último domingo, em Araraquara. "Vamos ver se a gente tira de dentro uma recuperação para quarta-feira. Vai ser um jogo duríssimo. O Palmeiras não jogou com nenhum titular, está em vantagem, mas o futebol se decide dentro de campo. Só vamos falar agora do jogo de quarta-feira", reforçou.

Ao mesmo tempo, o treinador admitiu que o abalo emocional causado pelo rebaixamento é inevitável. "Pelo resultado de hoje (domingo), abala um pouquinho. Não tenha dúvida, ninguém pode estar feliz. Mas é aquela história: amanhã (segunda-feira) quando acordar é um novo dia e não adianta pensar no que passou porque não vai voltar atrás. E ainda existe uma decisão na quarta-feira. Então, em vez de ficar chorando pelo aconteceu hoje, tem que se motivar pra quarta-feira. Tem que tirar forças pra fazer um trabalho digno e buscar essa classificação. É o que nós vamos fazer a todo custo", prometeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.