Rebaixado, Guarani foge de Campinas

Com medo de protestos da torcida, o Guarani vai se despedir do Campeonato Brasileiro, contra o Grêmio, fora dacidade, provavelmente no Estádio Limeirão, em Limeira, na próxima quarta-feira. O acordo entre os dois clubes já rebaixados paraa Série B já tinha sido fechado há alguns dias e deve ser ratificado pela CBF nesta segunda-feira.A antecipação do jogo, que agora não vale mais nada, facilitaria também os clubes na dispensa dos jogadores para o período deférias. O time campineiro terminou a penúltima rodada na vice-lanterna, com apenas 46 pontos.O fato de deixar o Brinco de Ouro seria uma medida preventiva contra a torcida. No sábado à noite, após a derrota para oPaysandu, por 4 a 2, em Belém, que decretou o fim da agonia do time nesta temporada, um grupo de aproximadamente 20torcedores atirou pedras na sede administrativa do clube conhecida como "Queijo" e revestida de vidros. A confusão só foi contida pela ação rápidade policiais. O alvo mesmo é a diretoria, taxada de incompetente não só pelos erros de planejamento cometidos nesta temporada, comotambém em anos anteriores. Desde junho de 1999 na presidência do clube, José Luiz Lourencetti acumulou fracassos. Em 2001, foi rebaixado no Campeonato Paulista, mas não disputou a Série A-2 por causa da criação da Liga Rio-São Paulo. No ano seguinte, novadecepção com a queda no Rio-São Paulo entre os paulistas. Desta vez o descenso será inevitável com o time sendo obrigado adisputar a Série B em 2005.Apesar dos insucessos, os dirigentes fazem planos, principalmente com a confirmação do aumento de receita por parte datransmissão da televisão. O clube deveria receber perto de R$ 11,2 milhões no próximo ano, mas este valor deve cair para R$ 8,4milhões. É que o clube integra o Clube dos 13, mas como não é fundador recebe 75% do valor no primeiro ano e 50% no segundo anodesde que permanece na Série B.Festa dos rivais - Ainda no sábado, quase ao mesmo tempo dos protestos dos bugrinos no Brinco de Ouro, 800 metros dali umgrupo bem maior, de quase 100 torcedores da Ponte Preta, ao lado do Majestoso, festejava o rebaixamento do rival com tiros derojões , muito samba e uma churrascada regada a muita cerveja.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.