CBF
Demissão da técnica Emily Lima causou crise na seleção femimina CBF

Rebelião após demissão da técnica Emily Lima afeta a seleção feminina

Três atletas, entre elas Cristiane, anunciam que não jogam mais pelo Brasil e outras também podem renunciar

Marcio Dolzan/ Rio e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2017 | 07h00

A demissão de Emily Lima abriu uma crise na seleção brasileira feminina. Três jogadoras anunciaram que não vestirão mais a camisa da equipe e outras prometem seguir o exemplo. Além de prestar solidariedade à treinadora, as atletas apontam falta de amparo e de planejamento da CBF e até apadrinhamento em antigas convocações. 

+ 'Elas não têm o respeito que merecem', diz Emily Lima

A treinadora caiu após duas derrotas em amistosos realizados na Austrália. Ao todo, Emily Lima comandou o Brasil em 13 jogos, com sete vitórias, um empate e cinco derrotas. Em dez meses de trabalho, teve um aproveitamento de 56,4%.

Emily foi a primeira mulher a assumir a seleção feminina. Ela foi anunciada no fim do ano passado após a demissão de Vadão, que retorna ao cargo agora. A queda começou a ganhar força quando a seleção ainda estava em solo australiano, o que fez o elenco escrever uma carta ao presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, pedindo a permanência de Emily. Em vão.

A demissão rendeu muitas críticas de torcedores nas redes sociais e algumas atletas também decidiram protestar, anunciando publicamente que não jogarão mais pelo Brasil. 

Cristiane, uma das principais jogadoras do time, foi a primeira. “É a decisão mais difícil que tomei na minha vida profissional até hoje”, declarou, em vídeo publicado no Instagram. “Mas eu não vejo outra alternativa, por todos os acontecimentos e por coisas que já não tenho forças para aguentar.”

O exemplo de Cristiane foi seguido ontem por outras duas jogadoras. A meio-campista Fran foi direta. Afirmou que não vestirá mais a camisa da seleção pelo fato de a “comissão técnica ter sido despedida da forma que foi” e por Vadão ter sido recontratado. “Tudo que passei na (seleção) permanente, todo esforço que dei... e chegando na hora H não foi o suficiente. Eles acabaram levando meninas lesionadas para o Mundial, meninas que estavam sem treinar, meninas levadas só por amizade, porque não chegaram nem a utilizar. Isso para mim foi demais.”

A lateral Rosana, que tem 18 anos de seleção, também decidiu deixar a equipe: “Sinto que as atletas não têm voz, e querer expor um ponto de vista mexe com a vaidade e ego de muitos”.

A CBF reagiu à renúncia das atletas de maneira formal. “A Confederação Brasileira de Futebol entende que a decisão de algumas jogadoras em não atuar mais pela seleção brasileira feminina é uma questão de ordem pessoal e que deve ser respeitada. A entidade agradece a todas pelos serviços prestados à equipe nacional’’, disse a entidade, por meio de nota.

Apontando como responsável pela saída da técnica, o coordenador da seleção feminina, Marco Aurélio Cunha, explicou que a queda passou por desempenho e conduta. “A troca sempre é dura, triste e incomoda muita gente, mas essa foi uma decisão da CBF em função dos últimos resultados. Ela tem toda capacidade e mérito, talvez só falte um pouco de maturidade”, disse à Fox Sports. Pouco depois, completou: “Não há ninguém que possa dizer que eu desrespeitei qualquer atleta”.

Foi a sétima demissão de treinador desde que Del Nero assumiu a CBF, em abril de 2015. Alexandre Gallo (sub-20), Caio Zanardi (sub-17), Cláudio Caçapa (sub-15) foram os primeiros. Dunga caiu após o vexame da seleção na Copa América Centenário. Vadão, após não levar a seleção feminina ao pódio na Olimpíada, e Rogério Micale, depois do fracasso da sub-20 no Sul-Americano foram os outros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

'Elas não têm o respeito que merecem', diz Emily Lima

Para treinadora, o anúncio de aposentadoria de algumas jogadoras junto à seleção é apenas em parte por solidariedade a ela

Entrevista com

Emily Lima, ex-treinadora da seleção feminina

Marcio Dolzan /Rio, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2017 | 07h00

Demitida na semana passada, a treinadora Emily Lima considera que o anúncio de aposentadoria de algumas jogadoras junto à seleção é apenas em parte por solidariedade a ela. "A minha saída só acrescentou a não aceitação de não ter o respeito adequado, de não ter o respeito que elas merecem", declarou, ao Estado. Ela criticou o coordenador da seleção feminina, Marco Aurélio Cunha que, a seu ver, não tem toda "essa vontade, essa briga de melhorar, de gostar do futebol feminino" que ele diz ter. A técnica retornou nesta quinta-feira à noite a São Paulo e diz que vai descansar antes de definir a sequência de sua carreira.

+ Rebelião após demissão da técnica Emily Lima afeta a seleção feminina

Como está vendo a decisão de algumas atletas de não defenderem mais a seleção em apoio a você?

Não sei se foi só por conta disso. Acho que os anos fizeram com que elas cansassem. A minha saída foi a gota para que elas pudessem colocar pra fora. A minha saída só acrescentou a não aceitação de não ter o respeito adequado, de não ter o respeito que elas merecem. Acho que refletiu dentro da minha demissão essa atitude das atletas.

A saída dessas atletas não vai colocar a seleção, o futebol feminino, numa situação ainda mais difícil?

Situação difícil elas passam diariamente. Acho que elas têm que começar a pensar nelas e buscar o respeito que elas merecem. Toda a vida elas pensaram na seleção, toda a vida elas pensaram em ajudar, e nunca ninguém pensou em ajudá-las. A CBF dá todo o respaldo necessário porque é obrigada a ter seleção feminina. Agora, tem alguns detalhes, que ela (CBF) até citou em vídeo nas redes sociais, como camisa... Isso é muito pequeno. Elas ganham uma camisa por convocação com o nome delas, sendo que tem um monte com o nome delas. E elas sabem, porque são amigas dos jogadores (da seleção masculina), que eles recebem 20 camisas, 15 camisas, 10 por convocação. Fora diárias que eles recebem por convocação, o bicho que ganham por jogo. Então é difícil você estar há 15, 17 anos na seleção, e nunca ninguém brigar por você. E quando uma pessoa entra pra brigar por você, e essa pessoa é demitida, e pode ter sido por conta disso também, aí acho que foi o fim pra elas. E eu acredito que tem que aparecer mais meninas falando o que se passa. Tem que acontecer. Acho que só assim a gente vai conseguir mudar as coisas.

Você chegou a bater de frente com o Marco Aurélio?

Sempre bati de frente com o Marco Aurélio, desde o primeiro dia que pisei na CBF, até antes mesmo. Eu batia de frente com coisas que não achava corretas, que ele como coordenador de seleção fazia. Algumas por comentários que ele fez sem ter um mínimo de conhecimento de futebol feminino, e outras lá dentro, com coisas ligadas a atletas mesmo. A gente sempre discordava um da opinião do outro. Eu brigando pelo que fiz durante 25 anos, por uma coisa que eu amo de verdade, e ele brigando por cargo dele, pelo status de estar na seleção. Não vejo essa vontade, essa briga de melhorar, de gostar do futebol feminino como ele diz que ele gosta.

Qual o futuro que você prevê para a seleção? 

Eu vou torcer para que o trabalho dê sequência e que as meninas tenham sucesso.

E o que você pretende fazer a partir de agora?

Estou retornado a São Paulo, vou ficar um pouco com a minha família. Estive muito ausente e acho que preciso um pouco recarregar minhas energias. Não por conta da demissão, mas quando eu entro em qualquer coisa que vou fazer eu entro de cabeça mesmo, me doo 100% e me desgasto demais. Já estou em conversas com meu empresário para saber o que a gente vai fazer e o que é melhor pra mim neste momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.