Receita Federal apreende bolas falsificadas da Copa em Santos

Carga veio de portos chineses e se destinava a vários importadores

Almir Leite, O Estado de S. Paulo

19 de fevereiro de 2013 | 17h19

SÃO PAULO- A Receita Federal apreendeu mais de 200 mil bolas de futebol falsificadas no Porto de Santos, no litoral paulista.. As bolas imitavam a Cafusa, que será a bola oficial da Copa das Confederações, e a Jabulani, bola da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul. A carga veio de portos chineses e são resultado de dez apreensões.

As bolas foram localizadas durante inspeções decorrentes da Operação Gol de Letra, iniciada no ano passado e que será itensificada a partir de agora, por conta da proximidade do início da Copa das Confederações e também da colocação no mercado, a partir do mês de março, de 39 produtos oficiais relacionados à Copa do Mundo, entre eles bolas de futebol.

De acordo com a Receita, as bolas apreendidas não têm a logomarca do fabricante, mas apresentam design, cores e padronagem da Cafusa e da Jabulani. A Adidas, que produz as bolas oficiais, foi contatada e atestou a falsidade das mercadorias, de acordo com a Receita. Elas serão destruídas.

A Fifa tem especial interesse em operações com a Gol de Letra, pois a entidade tem um programa de proteção às marcas da Copa. Recentemente, o departamento de marketing da Fifa informou ao portal estadao.com que tem intenção de auxiliar as autoridades brasileiras no combate à pirataria. "A Fifa vai se envolver em um extenso programa para explicar às autoridades competentes sua propriedade intelectual e difundir métodos para identificar produtos falsificados'', disse, em entrevista por e-mail.

A entidade considera essencial a fiscalização em portos, aeroporto e fronteiras. "Especial atenção está sendo dada às muitas portas de entrada de grandes carregamentos de mercadorias em uma tentativa de impedir a entrada no Brasil de produtos falsificados para venda em mercados e lojas locais.'' As apreensões divulgadas pela Receita Federal destinavam-se a vários importadores. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.