FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

Recém-chegado, Jair vê elenco do Corinthians com a confiança abalada

Treinador pede reação imediata contra o Flamengo, na Copa do Brasil: 'É corrigir e virar a chave'

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

09 Setembro 2018 | 19h35

Em sua estreia no comando do Corinthians, o técnico Jair Ventura reconheceu que mal teve tempo de pensar em mudar algo na equipe antes do clássico com o Palmeiras. Após a derrota por 1 a 0 na tarde deste domingo, no Allianz Parque, pelo Campeonato Brasileiroo treinador reconheceu que o grupo está com a confiança abalada por conta da série de tropeços, mas pediu reação imediata. Na quarta, o time visita o Flamengo, no Maracanã, pelo jogo de ida da semifinal da Copa do Brasil.

"Não deu pra implementar nada, nem mudei a escalação, dei sequência ao trabalho. Seria imprudente mudar sem treino. Mas não temos tempo, temos o Flamengo já agora. Temos de reverter essa situação o quanto antes", pediu o comandante, contratado na última quinta-feira e apresentado no dia seguinte. Foram apenas três dias junto ao elenco alvinegro. 

Questionado especificamente sobre o moral da equipe, o treinador admitiu que está baixo, mas assegurou: "É trabalho do treinador reverter essa situação. Não sou muito de falar, principalmente depois de derrota, mas tem horas que temos de falar. Vamos levantar essa autoestima, não pode perder a confiança principalmente quando sofre o gol. A mochila está cheia", disse, fazendo analogia com o peso que a equipe tem carregado nas costas.

Nos últimos dez compromissos, contando Brasileiro, Copa do Brasil e Libertadores, foram seis derrotas, um empate e três vitórias. Especificamente sobre o dérbi deste domingo, Jair analisou: "O jogo foi um clássico, de luta, entrega, primeiro tempo mais equilibrado. Foram poucas chances, os goleiros trabalharam pouco. Tivemos dificuldade na organização, sabemos disso. Agora é corrigir e virar a chave pra Copa do Brasil, que estamos perto do título. Um time com a grandeza do Corinthians só pode olhar pra cima", coment0u.

Ele também se mostrou tranquilo em relação à estreia ("tem que ter equilíbrio para não entrar no calor do jogo e poder fazer estratégias"), e elogiou o treinador rival: "É especial encontrar o Felipão, ser adversário dele. Muitos falavam em 2016 se o momento era dos mais experientes ou dos mais novos, e eu sempre falei que era uma junção, o mercado tem que ter quem está melhor, e o Felipão é dos melhores", destacou Jair.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.