Reclusos, santistas adotam lei do silêncio

Os jogadores do Santos só vão falar com os jornalistas minutos antes da decisão de logo mais à noite, às 21h40, contra o Boca Juniors, no Morumbi. Antes disso, deverão passar o dia reclusos, nos quartos do hotel onde estão concentrados, por orientação do técnico Emerson Leão. Os santistas tiveram uma manhã tranqüila. Poucos torcedores estiveram no hotel na tentativa de ao menos ver os jogadores. Mas apesar de estarem em número reduzido, demonstraram muita confiança.?Um é pouco, dois é bom, três é ótimo?, era a inscrição de uma enorme faixa aberta por quatro torcedoras, em frente ao hotel, localizado na região dos Jardins. Assinada por Roberta, Paula, Nathália e Larissa, a faixa era uma referência ao número de gols que o Santos precisa para ficar com o título.Como perdeu o primeiro jogo por 2 a 0, precisa vencer por 3 gols de diferença nesta quarta.Os jogadores não viram, mas vão contar com o apoio fervoroso da torcedora japonesa Kaori Kudo, de 18 anos. Apesar de morar em Tóquio, ela conta que é apaixonada pelo Santos desde garotinha. Kaori conta que esteve com o time no primeiro jogo da decisão, em Buenos Aires e estará hoje no Morumbi. Apesar de torcer muito, ela reconhece. ?Vai ser muito difícil o Santos ser campeão, disse.

Agencia Estado,

02 de julho de 2003 | 12h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.