Recoba poderá ter pena reduzida

A Comissão de Apelação da Federação Italiana de Futebol iniciou hoje a revisão do processo que culminou na pena de 1 ano de suspensão imposta a 13 jogadores não europeus, por uso de passaporte falsificado. A revisão do processo tem início um dia depois de a Fifa ter relaxado a pena. A entidade que comanda o futebol mundial informou nesta quinta-feira que os jogadores suspensos na Itália poderiam participar de partidas por suas seleções, durante a vigência da suspensão. Estariam proibidos apenas, de atuar em competições de clubes. A decisão da Comissão de Apelação deverá ser conhecida até o dia 20 deste mês e são grandes as chances de o uruguaio Recoba, da Inter de Milão, ter a pena reduzida em seis meses. De acordo com especialistas que acompanham o caso, a defesa de Recoba vai usar o mesmo argumento que inocentou o argentino Veron. O argentino disse à comissão disciplinar que não mentiu. Argumentou ter sido convencido por seus familiares que tinha antepassados espanhóis. Ainda que remota, existe também uma chance de a redução atingir ao goleiro brasileiro Dida, do Milan. O passaporte falsificado era usado para que o jogador fosse inscrito no Campeonato Italiano como jogador da Comunidade Européia. Além de Dida, outros seis brasileiros foram punidos pela Federação Italiana e, até uma nova decisão em contrário, estão suspensos até o dia 30 de junho de 2002. Os envolvidos são Fábio Junior (Palmeiras), Alberto (Udinese), Warley (Grêmio), Jorginho Paulista (Vasco), Jeda e Dedé (ambos do Vicenza).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.