Joh Schults/Reuters
Joh Schults/Reuters

Reduto de Ayrton Senna atrai brasileiros ao Portimonense

Equipe fica em Portimão, famosa região turística do Algarve, em Portugal

Renan Cacioli, O Estado de S.Paulo

14 Janeiro 2019 | 04h30

Portimão, uma das maiores e mais conhecidas regiões turísticas do Algarve, em Portugal, foi durante muitos anos um dos redutos de Ayrton Senna, que tinha uma mansão na cidade. Conhecida por suas belas praias e clima quente, é destino recorrente de brasileiros, incluindo jogadores de futebol. Só no Portimonense, clube local, há 19, o que representa 70% do elenco.

“O Algarve é muito semelhante ao Brasil porque é uma região turística e praiana. A adaptação fica muito fácil”, explica o presidente do clube, o também brasileiro Rodiney Sampaio. Seu vice é outro compatriota, Robson Ponte, ex-jogador que brilhou no Guarani, nos anos 90, e acabou fazendo carreira no Bayer Leverkusen, da Alemanha.

O perfil do elenco é parecido: jovens talentos da América do Sul, África e Ásia. A exceção é o já rodado atacante colombiano Jackson Martínez, de 32 anos.

Entre os brasileiros, muitas promessas que deixaram cedo o País rumo ao Velho Continente, casos de Lucas Fernandes, de 21 anos, e Paulinho Bóia, de 20, emprestados no ano passado pelo São Paulo, com quem o Portimonense tem parceira: são 11 atletas formados na base tricolor atualmente por lá.

“Sempre apostamos nos jovens que não têm oportunidade no futebol brasileiro, africano ou japonês. Essa é a filosofia: revelar, ter um DNA próprio, um futebol parecido com o sul-americano. Naturalmente, depois, você vende para outras equipes. Em Portugal, somos o clube que mais vendeu no ano passado e o que mais vai vender nesta janela”, garante Sampaio.

As comparações com o Porto, clube que tem fama de bom negociador, ao comprar barato e vender caro, acabam sendo inevitáveis. “Ficamos muito conhecidos em Portugal porque não fazemos força para vender. Os jogadores são caros. Tanto que estamos no meio da tabela, ganhamos do Sporting, do Guimarães, do Benfica... Então, é um pouco diferente do que o Porto faz. O Portimonense não compra jogadores com os valores que o Porto compra”, compara.

Em sua segunda temporada seguida na Primeira Divisão, o time figura na zona intermediária da tabela. Conseguir uma das vagas à Liga Europa seria a cereja do bolo do projeto iniciado em 2014 pela diretoria atual. O clube, fundado em 1914, jamais foi campeão na elite. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.