Reeleito, Koff tenta unir Clube dos 13

Reeleito nesta segunda-feira para mais um mandato de três anos como presidente do Clube dos 13, Fábio Koff anunciou que vai procurar os dirigentes dos 7 clubes que ameaçam sair da entidade para convencê-los a ficar. A rebelião foi anunciada na quarta-feira passada por Flamengo, Fluminense, Botafogo, São Paulo, Cruzeiro, Vitória e Atlético-PR, descontentes com a divisão das cotas pagas pela televisão para a transmissão do Campeonato Brasileiro. Os 7 clubes dissidentes não mandaram representantes à assembléia, em Porto Alegre, que manteve Fábio Koff na presidência, mas, ao mesmo tempo, deram sinais de que vão se submeter à decisão dos outros associados. Fluminense, Atlético-PR e Vitória, inclusive, já indicaram que podem voltar ao Clube dos 13 nos próximos dias.Quem insistir em ficar de fora poderá ter prejuízos. O diretor da Globo Esportes, Marcelo Campos Pinto, avisou que a emissora não fará negociações separadas com qualquer clube. "Só assinamos em bloco", destacou o executivo, ao sair da reunião de Porto Alegre.Como o contrato que está sendo contestado refere-se ao triênio de 2006 a 2008, os clubes dissidentes têm todo o ano que vem para optar pela volta à entidade, porque as cotas e valores para o campeonato de 2005 já estão definidos e aprovados por todos.Fábio Koff aproveitou para criticar a opção feita pelos clubes que ameaçam sair. "Não acredito na criação de outra entidade", afirmou o presidente. "Quem sai de um lugar porque foi voto vencido vai querer sair de outro logo que tiver um interesse contrariado. Eles deveriam expor sua contrariedades aqui e submetê-las ao voto."Os 13 clubes que enviaram representantes a Porto Alegre tinham 37 votos - cada integrante da entidade tem um peso, por tempo de filiação - e reelegeram Fábio Koff por unanimidade. Os 7 dissidentes teriam direito a 19 votos. O presidente do Corinthians, Alberto Dualib, esteve em Porto Alegre e lembrou que em bloco os clubes se fortalecem para negociar. "Costumeiramente alguns clubes fazem isso, mas acabam voltando", admitiu o presidente do Internacional, Fernando Carvalho, outro que esteve na reunião, ao falar da dissidência.A divisão da cota de R$ 300 milhões pelos três anos de contrato com a Globo estabelecida pelo Clube dos 13 prevê a distribuição de R$ 21 milhões para Corinthians, São Paulo, Flamengo, Palmeiras e Vasco, integrantes do grupo 1; de R$ 18 milhões para o Santos, solitário participante do grupo intermediário; de R$ 15 milhões para Fluminense, Botafogo, Cruzeiro, Atlético-MG, Internacional e Grêmio, do grupo 2; e de R$ 11 milhões para Atlético-PR, Portuguesa, Guarani, Coritiba, Vitória, Sport, Bahia e Goiás, do grupo 3. Na eleição desta segunda-feira também foi decidido que o Palmeiras ocupará a primeira vice-presidência e o Vasco fica com a segunda vice-presidência. O Internacional cuidará das finanças do Clube dos 13 e a secretaria está nas mãos do Bahia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.