Bruno Haddad/Cruzeiro
Bruno Haddad/Cruzeiro

Reforçado, Cruzeiro recebe o Boca em busca de virada para manter sonho do título

Time mineiro precisa reverter vantagem construída pelos argentinos no jogo de ida

Gabriel Melloni, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2018 | 05h00

O Cruzeiro define nesta quinta-feira, às 21h45, no Mineirão, uma vaga nas semifinais da Copa Libertadores, em duelo contra o Boca Juniors, envolto em polêmicas e clima de decisão. Derrotado por 2 a 0 no confronto de ida, na mítica La Bombonera, o time contará com o estádio lotado e a sua formação ideal para alcançar o complicado objetivo.

A grande notícia para o técnico Mano Menezes é o retorno de Arrascaeta. O meia uruguaio se recuperou de lesão muscular, que o afastou dos gramados por cerca de 20 dias e o tirou da partida de ida, e voltou a ficar à disposição. Resta saber se o treinador optará por sua titularidade.

No último fim de semana, Arrascaeta atuou por 20 minutos na derrota para o Palmeiras, pelo Brasileirão, e mostrou falta de ritmo. Se Mano optar por deixá-lo no banco, Rafinha segue na equipe. A tendência, porém, é que o uruguaio seja titular, assim como Thiago Neves, que acusou dores musculares no jogo de Buenos Aires.

"Os dois atletas estão prontos para jogar. O quanto que cada um vai jogar vai depender do que precisamos fazer. São jogadores decisivos. Estamos felizes em contar com os dois. Felizes por contar com todos", apontou o treinador, antes de cravar: "É a hora de correr riscos".

Outro importante reforço estará na zaga cruzeirense. Após a expulsão injusta no segundo tempo da derrota por 2 a 0 para o Boca, Dedé teve a suspensão automática de uma partida revista pela Conmebol e poderá estar em campo.

O cartão vermelho a Dedé foi o ápice de um confronto nervoso e polêmico, mas no qual o Boca foi superior ao Cruzeiro ao longo dos 90 minutos. Para reverter o péssimo cenário, o time mineiro terá que mostrar muito mais futebol e atacar, justamente seu ponto mais falho na temporada.

Os números mostram que o ataque do Cruzeiro tem decepcionado. Afinal, no Brasileirão foram apenas 22 gols marcados em 27 partidas, segunda pior marca da competição, ao lado do Ceará. Para compensar esta deficiência, a torcida promete fazer sua parte e lotar as arquibancadas do Mineirão.

Do outro lado, porém, haverá um rival dos mais acostumados à pressão. Hexacampeão da Libertadores, o Boca luta pelo sétimo título, que o igualaria ao Independiente como maiores vencedores do torneio. Em seu currículo, o time de Buenos Aires ainda possui uma extensa história de eliminações de brasileiros. O próprio Cruzeiro sofreu com o rival em 2008, quando caiu nas oitavas de final.

Mas o Boca tem problemas para esta quinta. O técnico Guillermo Barros Schelotto não poderá contar com o lateral-direito Leonardo Jara e o atacante Benedetto, lesionados. No setor defensivo, o treinador deverá escalar o ex-são-paulino Buffarini. Já no ataque, Sebastian Villa deve ser o escolhido, enquanto Ramon Ábila e Carlitos Tevez ficarão como opções no banco.

FICHA TÉCNICA

CRUZEIRO X BOCA JUNIORS

CRUZEIRO - Fábio, Edilson, Dedé, Léo e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Robinho, Thiago Neves e Arrascaeta; Barcos. Técnico: Mano Menezes.

BOCA JUNIORS - Agustín Rossi; Julio Buffarini, Carlos Izquierdoz, Lisandro Magallán e Emmanuel Mas; Wilmar Barrios, Nahitán Nández e Pablo Pérez; Sebastián Villa, Cristian Pavón e Mauro Zárate. Técnico: Guillermo Barros Schelotto.

ÁRBITRO - Andrés Cunha (Fifa/Uruguai).

HORÁRIO - 21h45.

LOCAL - Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG).

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.