Divulgação
Divulgação

Arão exalta torcida do Fla e Alex Muralha pede a camisa 38

Os dois reforços foram apresentados neste domingo

Estadão Conteúdo

10 de janeiro de 2016 | 15h49

O Flamengo apresentou mais dois reforços neste domingo. Depois do zagueiro Juan, agora foi a vez do volante Willian Arão, que estava no Botafogo, e o goleiro Alex Muralha, que defendeu o Figueirense em 2015, vestirem a camisa rubro-negra e conversarem com os jornalistas.

Arão, de 23 anos, chega após ser um dos principais jogadores na campanha que levou o Botafogo de volta à elite do futebol brasileiro. O volante também tem passagens pelo Corinthians, onde conquistou a Libertadores e o Mundial em 2012, além da Portuguesa, Chapecoense e Atlético-GO.

Ao comentar sobre o sentimento de deixar o Botafogo para jogar em um grande rival, o jogador tratou de fazer média com os torcedores. "É uma grande oportunidade jogar no time de maior torcida do Brasil, do mundo. Quero ajudar a conquistar os títulos e fazer história. O que passou, passou. Hoje eu sou Mengão. Estou preocupado com a torcida do Flamengo. É a única que interessa", comentou.

Muralha tem 26 anos e começou a carreira no Votoraty-SP. Jogou no Comercial-SP, onde ganhou o apelido, Cuiabá-MT e no Shonan Bellmare, do Japão. Depois de passagem pelo Mirassol, foi para o Figueirense, onde se destacou no Campeonato Brasileiro de 2015. Na entrevista, ele falou sobre a briga por posição com o titular Paulo Victor.

"Fui muito bem recebido, por todos atletas. Os goleiros são excelentes, será uma disputa sadia. Paulo Victor foi o primeiro a me abraçar. Joguei em alguns lugares, mas agora é o Flamengo. Tenho certeza de que será um ano muito bom", afirmou.

Os dois jogadores receberam das mãos do diretor de futebol do clube, Rodrigo Caetano, a camisa 12. A ideia, trazida pelo departamento de marketing, é homenagear a torcida rubro-negra, tida como o 12º jogador. Muralha, no entanto, declarou publicamente que pretende continuar com um número inusitado que, segundo ele, lhe da sorte.

"Já avisei que quero a camisa 38, se possível. É o meu número da sorte, me deu sorte em todos os clubes que passei. É coisa de maluco. Todo louco tem as suas maluquices. Sempre esse 38 aparece do nada", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.